Não culpe emergentes. Maioria dos calotes ocorre em países ricos

O maior inadimplente dos emergentes em 2017 foi a estatal Petróleos de Venezuela, que não honrou pagamentos de juros de mais de US$ 20 bilhões em dívidas

Os países desenvolvidos responderam por nove de cada 10 calotes de fora do setor financeiro nas últimas duas décadas, segundo relatório da Moody’s Investors Service.

Essa distorção reflete o número muito maior de entidades classificadas nos EUA e inclui uma grande quantidade de emissores de grau especulativo com notas mais baixas.

As empresas dos mercados emergentes tendem a ser afetadas pela volatilidade cambial e por crises soberanas e bancárias, mas as implosões nos países desenvolvidos geralmente surgem de tendências do setor, da concorrência ou de políticas financeiras agressivas que minam a estrutura de capital, escreveram os analistas Richard Morawetz e Daniel Gates na nota da Moody’s.

O título de maior inadimplente dos mercados emergentes em 2017 é da estatal Petróleos de Venezuela, que não honrou pagamentos de juros de mais de US$ 20 bilhões em dívidas.

A América Latina respondeu por mais da metade do total e o Brasil, o México e a Argentina aparecem entre os países com mais calotes. A região é seguida pela Ásia-Pacífico e pelos mercados emergentes da Europa, do Oriente Médio e da África.

Pontos-chave

– De 1.716 calotes de empresas não-financeiras, incluindo empresas de serviços públicos, quase 1.600 ocorreram em economias avançadas; os calotes dos EUA somaram pouco menos de 1.300 no período.

– A Moody’s prevê a queda da taxa de inadimplência neste ano para 1,7 por cento, bem abaixo da média de longo prazo, de 4,2 por cento desde 1983; houve um rápido aumento nos calotes em 2016, que atingiram o nível mais alto desde a crise financeira devido à queda dos preços da energia.

– “A economia global está em melhor forma agora do que em muitos anos”, diz Richard Morawetz, diretor de crédito sênior do grupo de finanças corporativas. “Esses fatores são a base para a nossa projeção de taxa de calote baixa deste ano para empresas de grau especulativo.”

– A taxa de calote corporativo anual médio das economias avançadas foi de 2,4 por cento de 1998 a 2017 e de 3,7 por cento nas economias emergentes; a diferença se deve, em grande parte, à série de crises soberanas no início do período analisado, que levou a taxas de inadimplência recorde nos mercados emergentes.