Moody’s muda perspectiva de nota do Brasil para negativa

Entre os motivos para a revisão, estão a redução no crescimento econômico, a deterioração acentuada no sentimento do investidor e os desafios fiscais

São Paulo – A agência de classificação de risco Moody’s revisou a perspectiva do rating Baa2 do Brasil de estável para negativa. Segundo a Moody’s, a mudança se aplica a todas as classes de ratings do governo brasileiro, ou seja, ratings de emissor, ratings de títulos do governo e “shelf” ratings. O teto soberano em moeda estrangeira e moeda local permanece inalterado.

“A ação de rating reflete o risco crescente de que o contínuo baixo crescimento e a piora dos indicadores de dívida sinalizem uma redução na qualidade de crédito do Brasil e irão deflagrar uma migração em sentido declinante em seu rating de crédito”, afirmou a agência por meio de comunicado.

A Moody’s explicou que os principais determinantes para a revisão da perspectiva do rating foram a redução sustentada no crescimento econômico, que mostra pouco sinal de retorno ao potencial no curto prazo; a deterioração acentuada no sentimento do investidor, o que tem afetado negativamente a formação bruta de capital fixo; e os desafios fiscais que estes obstáculos econômicos impõem, impedindo a reversão da tendência de elevação nos indicadores da dívida do governo.

Apesar da revisão da perspectiva, a Moody’s afirmou que o rating Baa2 foi mantido por causa da “contínua resiliência do país a choques financeiros externos, dado seu colchão de reservas internacionais; vulnerabilidade limitada do balanço patrimonial do governo a mudanças abruptas no apetite global por risco em relação aos seus pares; e os benefícios subjacentes derivados da economia extensa e diversificada do Brasil”.

A Moody’s prevê que a economia brasileira continuará com crescimento baixo e que a alta do PIB anual provavelmente vai permanecer abaixo do potencial do país de cerca de 3%. De acordo com os cálculos da agência, o PIB do Brasil provavelmente vai crescer menos de 1% neste ano e que o crescimento em 2015 permanecerá abaixo da marca de 2%.