Mizuho culpa fatores domésticos por baixo crescimento

Segundo trabalho do Banco Mizuho, depreciações do câmbio têm impacto negativo na produção industrial no curto prazo

São Paulo – O baixo crescimento econômico do Brasil nos últimos anos deriva, em larga escala, de fatores domésticos, reiterou nesta terça-feira, 9, em reunião com jornalistas o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Ele recorreu a estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que afirma que há evidências de que a economia brasileira é pouco competitiva.

Já com relação à indústria, Rostagno mostrou um trabalho do banco segundo o qual a mudança repentina na produção Industrial mundial exerce efeitos significativos e duradouros sobre a indústria doméstica.

Os choques na Selic demoram para afetar a indústria. Porém, seus efeitos também são significativos e duradouros.

Já medidas de estímulos fiscais de estímulos ao consumo afetam apenas temporariamente o nível da atividade industrial, deslocando a demanda.

Segundo o mesmo trabalho do Mizuho, depreciações do câmbio têm impacto negativo na produção industrial no curto prazo.