Microcréditos chegam à maior favela de São Paulo

Os microemprendedores contarão com orientação financeira e caixas automáticos em agência do Santander

São Paulo – Os microcréditos chegaram nesta quinta-feira a Paraisópolis, a maior favela de São Paulo, onde o banco Santander pretende conceder cerca de US$ 10 milhões para esta linha de financiamento nos próximos três anos.

É a primeira agência que a entidade abre na comunidade, que possui cerca de cem mil habitantes. Os microemprendedores contarão com orientação financeira e caixas automáticos.

“A abertura do posto de atendimento em Paraisópolis reforça nosso compromisso de contribuir com o desenvolvimento social da população brasileira”, disse o vice-presidente executivo da rede comercial de Santander Brasil, Pedro Coutinho, na inauguração.

A chegada da entidade a esta favela, que fica ao lado do luxuoso bairro do Morumbi, segue a experiência das filiais que o banco já tem no Complexo do Alemão e Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro.

“Fomos o primeiro banco que entrou no Alemão antes da pacificação”, destacou Coutinho, ao lembrar que nesta comunidade tiveram “uma experiência fantástica” em que a entidade “aprendeu muito e que são esses conhecimentos que estamos aplicando agora em Paraisópolis”.

No mesmo prédio do banco foi inaugurado o Espaço Digital Santander Universidades, uma sala com 15 computadores com acesso a internet, nos quais os alunos da ONG local “Escola do Povo” poderão desenvolver suas atividades, e serão financiados dois mil cursos de espanhol e inglêsà distância.

Segundo o diretor de Santander Universidades no Brasil, Jamil Hannouche, 50 mil pessoas por ano farão uso destas ferramentas, o que servirá “não só para apoiar o desenvolvimento, mas também para transformar a realidade das pessoas”.

Grande parte dos moradores das favelas brasileiras carece de acesso aos recursos mais básicos, de contas bancárias e relação alguma com entidades financeiras, “o que tem se mostrado um nicho de mercado considerável em um país em desenvolvimento como o Brasil”, explicou o presidente.