Melhora da economia justifica redução de estímulos, diz Fed

O Fed, além disso, melhorou sua projeção do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano

Washington – O Federal Reserve (Fed, banco central americano) anunciou nesta quarta-feira que a economia dos Estados Unidos melhorou ao ponto que se justifica o começo do fim de seu programa de estímulos monetários.

Ao término de sua última reunião do ano, o Comitê de Mercado Aberto do Fed declarou que reduzirá de US$ 85 bilhões a US$ 75 bilhões suas compras mensais de bônus do Tesouro e títulos hipotecários.

“À luz do progresso rumo ao emprego máximo e a melhoria do panorama nas condições do mercado de trabalho, o Comitê decidiu reduzir modestamente o ritmo de suas compras de ativos”, afirmou o comunicado.

Apenas um dos membros votou contra estas decisões: o presidente do Federal Reserve de Boston, Eric Rosengren, que sustentou que a taxa de desemprego, atualmente em 7%, continua sendo alta demais e que o ritmo de inflação, de 1,2 % ao ano, está muito abaixo da meta do banco central.

O Fed, além disso, melhorou sua projeção do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano, calculando que crescerá entre 2,2% e 2,3%, comparada com a previsão de um aumento entre 2% e 2,3% que fez em setembro.

Nesse mês, o Fed tinha projetado que a inflação este ano estaria entre 1,2% e 1,3%, mas agora calcula que ficará entre 1,1% e 1,2%. O banco central considera saudável um índice de inflação anual de 2%.

Em relação ao desemprego, enquanto em setembro o Federal Reserve esperava um índice entre 7,1% e 7,3%, agora calcula que o ano terminará com uma taxa de desemprego de 7% a 7,1%.