Meirelles: não sei se haverá troca do presidente do BNDES

Atual titular do BNDES, Paulo Rabello de Castro é alvo de pressão depois de ter sido lançado pelo PSC como pré-candidato à Presidência

Salvador – O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse não saber se haverá troca no comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O atual titular do BNDES, Paulo Rabello de Castro, é alvo de pressão por parte de líderes da base governista, depois de ele ter sido lançado pelo PSC como pré-candidato à Presidência, durante convenção do partido.

“Vamos aguardar do que se trata. O BNDES não é vinculado ao Ministério da Fazenda, não estou participando diretamente de discussão sobre presidência”, afirmou o ministro, após participar de evento em Salvador (BA), nesta segunda-feira, 20.

Meirelles ressaltou que ministros do governo Michel Temer decidiram deixar o cargo para se dedicar à campanha de 2018, e citou o ex-ministro das Cidades Bruno Araújo, que saiu do governo em meio à disputa interna do PSDB.

Candidatura

Em relação à sua candidatura à Presidência da República, Meirelles voltou a dizer que está hoje focado no trabalho no Ministério da Fazenda e que, até abril do ano que vem, decidirá o que fazer. Questionado se será candidato pelo PSD, Meirelles disse não saber. “Para o meu legado, é importante que eu esteja 100% concentrado em meu trabalho no Ministério da Fazenda. Se todo mundo começar a pensar em outras coisas, e, com isso a economia cair, vai ser ruim para todos”, afirmou.

PIB

Meirelles disse que o governo vai rever a projeção de crescimento do PIB de 2018, atualmente em 2%, no início de dezembro. O ministro disse que a atual estimativa tem “viés de alta” e lembrou que há economistas prevendo aumento de mais de 3% no ano que vem.

Após participar de evento em Salvador (BA), Meirelles disse que um dos desafios para o Brasil é o aumento do crédito, e que é importante que bancos expandam crédito e que os juros caiam.

Durante sua palestra no IV Fórum Bahia Econômica, o ministro disse que é necessário viabilizar a criação de empregos. “O Bolsa Família é muito importantes e tem que ser mantido, mas o melhor programa social é emprego”, afirmou.

Meirelles citou projetos já em tramitação no Congresso Nacional e que têm o apoio do governo, para melhoria da regulação setorial e aumento da eficiência, como o que aumenta a governança nas agências reguladoras, o projeto que permite que Funpresp administre regimes de Previdência estaduais e outro que prevê transparência em benefícios fiscais concedidos.

Ele lembrou ainda leilões e concessões já realizados e disse que existem 92 projetos de licitações em andamento. “Estamos no início de um novo ciclo de crescimento sustentável, ideia agora é ter crescimento de longa duração”, completou.