Meirelles: alterações na Previdência deverão ser compensadas

"Estamos trabalhando para fazer uma reforma de fato que assegure o equilíbrio fiscal sem aumentar a despesas da Previdência", disse o ministro

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira, 11, que todos os pontos que o governo está cedendo na reforma da Previdência têm de ser compensados por outros pontos, para assegurar o equilíbrio fiscal.

A declaração foi dada em rápida entrevista após reunião no Palácio do Planalto com o presidente Michel Temer e líderes partidários da Câmara.

“Estamos trabalhando para fazer uma reforma de fato que tenha condições de assegurar o equilíbrio fiscal e não aumentar a despesas da Previdência como proporção ao PIB. Senão, não conseguimos equilibrar as contas. Não é uma questão de não poder fazer isso versus aquilo. Tudo que se cede um ponto te que compensado em outro. Esse é o problema”, afirmou o ministro.

Meirelles admitiu que o governo está “discutindo” estabelecer uma idade mínima de 60 anos para professores, policiais federais e civis e trabalhadores rurais se aposentarem, e não de 65 anos, como previsto para os demais trabalhadores. “Estamos discutindo” disse.

Ele afirmou que o governo também está debatendo manter as regras atuais de pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC) a pessoas com deficiência.

Idade mínima

O ministro reforçou seu posicionamento contra estabelecer uma idade mínima menor para mulheres. A bancada feminina no Congresso cobra que, em vez de 65 anos, a idade mínima para mulheres se aposentarem seja de “no máximo” 63 anos.

“Não está na pauta”, afirmou Meirelles, acrescentando que a mudança impactaria “bastante” no resultado da reforma esperado pelo governo.

Resistência

Após a reunião com os líderes e o presidente Temer no Planalto, o ministro disse acreditar que a resistência dos parlamentares em relação à reforma está diminuindo e que será mais fácil aprová-la no Congresso.

“Acho que vai aprovar”, disse. Além dos líderes e ministros, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), participou do encontro.