Mão de obra pode tirar fabricante de portáteis da China

A primeira fabricante mundial de computadores portáteis para marcas internacionais cogita transferir suas fábricas da China para outros países

Taipé – A primeira fabricante mundial de computadores portáteis para marcas internacionais,  Quanta Computer Inc., cogita transferir suas fábricas da China para Taiwan ou para outros países, por causa da forte alta dos custos trabalhistas.

Os salários mínimos na China subiram em média 14% nos últimos anos, muito mais do que em outras regiões do mundo e a Quanta estuda tirar suas fábricas da China, disse hoje o vice-presidente da empresa C.C. Leung.

Mas sair da China não pode ser feito sem preparação, porque significa não só transferir as fábricas, mas reorganizar toda a cadeia logística, acrescentou Leung.

A taiuanesa Quanta não descarta instalar suas fábricas em Taiwan, já que os custos trabalhistas na ilha não subiram tanto nos últimos anos, mas antes precisa ter certeza queterá mão de obra suficiente.

“Taiwan tem muitos graduados universitários e pouca gente que quer trabalhar em fábricas”, disse Leung.

Uma solução para atrair mão de obra suficiente em Taiwan é automatizar a maior parte da produção e construir unidades mais confortáveis em que os graduados estejam dispostos a trabalhar, acrescentou o vice-presidente da empresa ilhoa.

“Estamos considerando todas as opções, mas não decidiremos até que chegue o momento oportuno”, apontou Leung.

Quanta tem três grandes complexos industriais nas cidades chinesas de Xangai, Changshu e Chongqing, onde fabrica computadores portáteis, servidores, dispositivos para computação em nuvem e produtos eletrônicos para automóveis.

A empresa também possui duas fábricas nos Estados Unidos, uma em San Francisco e outra em Nashville.

Quanta espera que as vendas de seus computadores portáteis se mantenham em 2014 pelo menos no mesmo nível das 43,1 milhões de unidades vendidas em 2013.