Mantega ressalta dinamismo do mercado interno

Segundo o ministro, enquanto as taxas de desemprego batem recordes nos Estados Unidos e na União Europeia, o Brasil gera mais de um milhão de empregos por ano

Brasília – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quinta-feira que o mercado interno brasileiro não perdeu o dinamismo, mesmo na crise internacional. Segundo ele, enquanto as taxas de desemprego batem recordes nos Estados Unidos e na União Europeia, o Brasil gera mais de um milhão de empregos por ano.

“A massa salarial continua crescendo mais de 5% ao ano, fortalecendo o mercado interno”, afirmou. “Nenhum outro lugar tem um crescimento de quase 6% no mercado interno neste ano.”

O ministro disse que o País está entre os maiores mercados consumidores do mundo em diversos segmentos de produtos e serviços. “Isso se deve aos programas sociais e ao aumento do emprego e da renda”, afirmou. “Ao contrário de outros países, o Brasil está distribuindo renda e não concentrando.”

Mantega afirmou que a Classe C vai continuar a se expandir no País. “Há confiança no Brasil e isso pode ser medido pelo crescimento do Investimento Estrangeiro Direto (IED) nos últimos 12 meses. “Os investidores confiam na trajetória, solidez e segurança da economia brasileira.”

Investimentos

Mantega afirmou que o governo está cobrando como contrapartida um acordo de manutenção de empregos dos setores que têm sido beneficiados por desonerações. “Os beneficiários são os trabalhadores e os consumidores, que têm preços mais baixos. Com isso, o efeito também é benéfico para a inflação.”

O ministro disse que essas desonerações já atingiram R$ 43,4 milhões apenas neste ano, o equivalente a 1% do PIB. “Os países avançados não realizam essa política de incentivo à economia, só realizam cortes de investimentos e desembolsos”, afirmou.

Mantega afirmou que a prioridade do governo é elevar o nível de investimentos, sobretudo na área de infraestrutura. De acordo com ele, o polo de gás e petróleo é o que mais investe, capitaneados pela Petrobras, o que estimula toda uma cadeia produtiva local. “Com o programa de ferrovias e rodovias, mais Copa e Olimpíada, mais Petrobras e outros, o Brasil tem uma das maiores carteiras de investimentos do mundo.”