Mantega reitera que câmbio no Brasil é flutuante

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reafirmou a inexistência de um patamar para a taxa cambial no País

Brasília – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reafirmou a inexistência de um patamar para a taxa cambial no País. Ele reiterou que o câmbio no Brasil é flutuante e tem flutuado. “A prova é essa”, declarou a jornalistas na noite desta terça-feira.

Ele insistiu que o governo, ao zerar a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para o ingresso de capital estrangeiro em renda fixa, está coibindo excessos. O ministro avaliou que a volatilidade não é boa para o mercado e para os exportadores.

Mantega disse ainda que o câmbio tem caminhado para um equilíbrio natural e reforçou a avaliação de que as intervenções do Banco Central no câmbio têm quase zerado “faz tempo”. Mantega disse que o BC não tem comprado reservas e que tem reduzido as operações com swap cambial.

Ele afirmou não acreditar que haja nova enxurrada de capital externo em renda fixa. “Mas sempre podemos voltar com o IOF”, completou.

Mantega destacou que as empresas brasileiras estão conseguindo captar no exterior e citou a BB Seguros e a Petrobras. “As empresas brasileiras estão conseguindo recursos, não falta liquidez e há mais equilíbrio. E os governos também.”