Mantega diz que corte de R$ 55 bilhões é ousado

Ministro da Fazenda garantiu que corte será o suficiente para o país cumprir a meta de superávit primário

Brasília – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, avaliou que o corte de R$ 55 bilhões no Orçamento de 2012 anunciado hoje é suficiente para que o governo possa cumprir a meta de superávit primário. Ele afirmou que o corte é “bastante ousado”. “Isso vai garantir a obtenção do resultado primário que aprovamos na LDO”, disse

O governo reduziu a previsão de receitas em R$ 36 bilhões em relação ao aprovado pelo Congresso. “Somos um pouco mais conservadores, mas espero que o Congresso tenha razão na projeção de receitas. É uma nova projeção de arrecadação mais modesta”, afirmou. Na receita líquida, a redução foi de R$ 29,5 bilhões.

Em relação às metas de investimento impostas pelo próprio governo para 2012, Mantega diz que elas são ambiciosas, mas possíveis. De acordo com ele, os objetivos são necessários porque o investimento é visto como de fundamental relevância para a economia brasileira.

O ministro destacou que o governo já vem aumentando os investimentos. “Queremos passar dos 20,8% em relação ao PIB. O desafio para 2012 não é fácil”, salientou. “É ambicioso? É, mas é possível? É possível; é uma meta ambiciosa, mas temos condições de persegui-la”, acrescentou.

Mantega destacou que há perspectiva de aumento “expressivo” de investimentos no PAC, no programa Minha Casa, Minha Vida, no programa pré-sal e Copa do mundo. “Quando falamos em 20% do PIB, significa setores público e privado. A do setor público é menor, de 3 e qualquer coisa porcento”, mencionou. Segundo ele, cabe ao governo fomentar o setor privado para que também invista.

O ministro disse também que o crescimento do investimento ante 2011 será entre 10% e 11%. “É ambicioso? É. Mas é possível? É possível. É exequível.” Ele enfatizou ainda que o crescimento do investimento ano a ano acompanhou ritmo de expansão dada. “E hoje temos mais projetos, mais experiência”, pontuou.