Levy defende ajuste fiscal e diz que Estado ficou pesado para a economia

Presidente do BNDES afirmou ainda que quer implantar uma corregedoria no banco de fomento

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, defendeu nesta sexta-feira, 15, a necessidade de ajustes fiscais, caso contrário o país entrará em espiral que afetará os trabalhadores, a produção e o crescimento.

“O peso do Estado ficou muito grande para a economia”, afirmou, durante participação em evento da FGV no Rio de Janeiro.

Levy também afirmou que os financiamentos do banco de fomento vão estimular a emissão de debêntures e também disse que o Ibovespa, índice de referência do mercado acionário brasileiro, vai chegar aos 100 mil pontos muito em breve.

Ele ainda disse que quer implantar uma corregedoria no BNDES. “Até 2016 não tinha área de compliance e coisas esquisitas aconteceram”, afirmou.