Financial Times diz que leilão de Libra foi “medíocre”

Segundo o jornal, o governo está aliviado com o "resultado medíocre" por não prejudicar a Petrobras, cujas contas estão "tensas"

Londres – O resultado do leilão do pré-sal, realizado na última segunda-feira, 21, volta a ser destaque na imprensa europeia. Em artigo publicado na edição desta sexta-feira, 25, do Financial Times, o chefe da sucursal brasileira do jornal britânico, Joe Leahy, questiona o comportamento do governo brasileiro, que comemorou o resultado de um leilão que teve apenas um concorrente.

“Algo está errado com a formulação das políticas no Brasil”, diz o texto, que classifica o resultado da oferta como “medíocre”.

Com o título “Por que políticos brasileiros enalteceram o leilão com um lance”, a análise de Leahy diz que o “entusiasmo do governo com o leilão que não foi um leilão pode ter sido, em parte, para esconder sua decepção”.

“Mas a explicação mais preocupante é que o governo está realmente satisfeito com o leilão que não conseguiu atrair concorrência. O governo pode estar aliviado com o resultado medíocre”, diz o texto.

A explicação de Leahy está na cláusula da operação que exige um mínimo de “óleo lucro” para o governo. “Como isso (a falta de concorrência) aconteceu, o consórcio vencedor ofereceu o mínimo de 41,6%. Mas, se houvesse muita concorrência, o número poderia ter sido maior. Isso pode ter prejudicado a Petrobras, cujas finanças estão tão ‘tensas’ que não poderiam oferecer algo mais generoso para o governo”, diz o texto.

O artigo compara esse conflito visto no leilão de Libra – desejo do governo de concorrência versus falta de fôlego financeiro da Petrobras – com outros fenômenos conflitantes da economia brasileira.

“De fato, tais resultados são cada vez mais comuns com o governo fazendo malabarismos com tantos objetivos conflitantes. Ele está tentando reduzir a inflação enquanto enfraquece a taxa de câmbio. Está aumentando o gasto público enquanto aumenta as taxas de juros. E, na indústria do petróleo, tenta aumentar a participação do Estado ao mesmo tempo em que tenta atrair o setor privado. Até o governo já não parece tão certo sobre o que realmente está tentando conseguir”, diz o texto.