Intenção de consumo das famílias bate nova mínima histórica

O ICF teve recuo de 1,8% em outubro na comparação com setembro, recuou 1,8% em outubro na comparação com setembro, registrando 78,4 pontos

Rio – A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), indicador apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), recuou 1,8% em outubro na comparação com setembro, registrando 78,4 pontos.

É o menor valor da série histórica iniciada em 2010, informou nesta terça-feira, 20, a confederação.

Na comparação com o mesmo mês do ano passado a retração foi de 35,5%. É o nono mês consecutivo da queda do índice, que está há seis meses na zona negativa – abaixo de 100 pontos – o que indica uma percepção de insatisfação com a situação atual.

“A queda do ICF em outubro decorre da continuidade da deterioração dos fatores determinantes da piora das expectativas ao longo dos últimos 12 meses: aceleração da inflação, enfraquecimento da atividade econômica, com reflexo crescente no mercado de trabalho, e aumento da incerteza política”, diz a CNC em nota.

A entidade lembra o resultado recente da Pesquisa Mensal de Comércio divulgada pelo IBGE apontando que a queda das vendas no mês de agosto na comparação com julho foi de 0,9% – a maior para o mês desde o ano 2000.

O quesito que mede a intenção de compra de bens duráveis é o que registra o menor nível da ICF, em 51,3 pontos. O sub item apresentou retrações de 2,2% na comparação mensal e 51% ante o mesmo período do ano passado. A maior parte das famílias (70,7%) considera o momento atual desfavorável para aquisição de duráveis.

Em seguida vem o componente que mede o nível de consumo atual, em 57,7 pontos, registrando recuos de 3,7% em relação a setembro e 43,3% em comparação com o mesmo período do ano passado.

De acordo com a CNC, a queda progressiva nas vagas está aumentando a insegurança das famílias em relação ao emprego.

A satisfação com o emprego atual, apesar de ser o único componente da ICF a se manter acima da zona de indiferença, com 106,0 pontos, registrou quedas de 0,8% em relação ao mês anterior e 20,3% na comparação anual.

O indicador de desemprego mensal nas seis maiores regiões metropolitanas do País atingiu 7,6% em agosto. O índice era de 4,3% em dezembro de 2014.

A falta de perspectivas de reversão do cenário condicionante do consumo no curto prazo levou a CNC a revisar de -2,9% para -3,6% sua expectativa para o varejo restrito em 2015.

No conceito ampliado, a projeção da CNC passou de queda de 6,5% para queda de 6,8% ao final do ano.