Infraero diz que privatização pode gerar gastos de R$ 3 bi

Gastos extras para manutenção do custeio da estatal deixariam a empresa no vermelho por mais de 15 anos, segundo avaliação do presidente da Infraero

A privatização de terminais aeroportuários lucrativos da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) vai gerar gastos extras de mais de R$ 3 bilhões para manutenção do custeio da estatal e manterá a empresa no vermelho por mais de 15 anos, segundo avaliação do presidente da empresa.

O déficit anual previsto pela Infraero é de cerca de R$ 400 milhões anuais. A informação consta em ofício encaminhado pelo presidente da empresa, Antônio Claret de Oliveira, ao ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa.

Na quarta-feira, o governo anunciou a intenção fazer 57 privatizações. No pacote, além de portos e empresas estatais, estão 18 aeroportos, entre eles os de Congonhas e do Recife, que são lucrativos. No primeiro semestre, o terminal de Congonhas teve R$ 137 milhões de lucro e circularam pelo aeroporto 10,4 milhões de passageiros, segundo a Infraero. “Caso o governo decida pela concessão dos três blocos de aeroportos, conforme vem sendo veiculado pela imprensa, esta Empresa se tornará dependente de recursos para a manutenção do seu custeio”, diz a nota.

O documento diz que, entre os 17 aeroportos superavitários da empresa, somente os terminais de Curitiba, Recife, Congonhas e Santos Dumont contribuem com mais de 78% dos resultados.

Procurado, o Ministério do Transporte não se pronunciou até o fechamento desta reportagem.