Inflação na China sobe mais e chega a 4,5%

No ano passado, a inflação atingiu 5,4%, muito acima do objetivo de 4% que fora fixado por Pequim

Xangai – O índice de preços ao consumidor (IPC) da China, o principal indicador da inflação no país, aumentou até alcançar a taxa anualizada de 4,5% em janeiro, em sua maior percentagem nos últimos três meses, informou nesta quinta-feira o Escritório Nacional de Estatísticas.

Segundo publica hoje a agência oficial Xinhua, a alta de janeiro é, por sua vez, 1,5% maior que a registrada em dezembro passado.

Ainda assim, os analistas chineses preveem que este repentino aumento não mudará a tendência geral de baixa que o IPC deverá ter durante o resto do ano.

Em julho, o IPC marcou 6,5%, seu maior índice em 43 meses. Depois disso, a taxa passou a encolher mês a mês, até a nova alta agora em janeiro.

Este aumento se deve principalmente ao encarecimento dos alimentos durante a semana de férias do Ano Novo Lunar chinês, que este ano caiu em janeiro. Por esse motivo, espera-se que a alta se veja reduzida em fevereiro, assegurou o economista-chefe do Banco das Comunicações, Lian Ping.

Em 2011, a inflação atingiu 5,4%, muito acima do objetivo de 4% que fora fixado por Pequim.