Inflação medida pelo IGP-10 diminui para 0,44% em novembro

Índice da FGV agora acumula alta de 5,14% no ano

Rio de Janeiro – A inflação medida pelo Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) diminuiu em novembro para 0,44%, ante a taxa de 0,64% registrada em outubro. Em 12 meses, o índice variou 6,48%. A taxa acumulada no ano é 5,14%, informou hoje (18) o Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV)

Dos três subíndices que compõem o IGP-10, O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) caiu de 0,81%, em outubro, para 0,48%, em novembro. As maiores contribuições para essa redução partiram do grupo bens intermediários, cuja taxa passou de 0,91% para 0,46% no período. Dois dos cinco subgrupos apresentaram índices menores, com destaque para materiais e componentes para a manufatura (de 1,06% para 0,17%). A taxa referente a matérias-primas brutas também recuou, de 1,86% para 0,55%, com destaque para soja em grão (de 1,47% para -2,63%), milho em grão (de 2,23% para -2,23%) e minério de ferro (de 5,23% para 3,03%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,31%, em novembro, ante 0,37%, em outubro. Quatro das sete classes de despesa componentes do índice apresentaram redução, com destaque para habitação (de 0,73% para 0,47%).

Também apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos transportes (de 0,10% para -0,11%), despesas diversas (de 0,39% para 0,11%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,46% para 0,39%). Os itens que mais contribuíram para esses resultados foram: gasolina (-0,04% para -0,64%), alimento para animais domésticos (3,16% para 0,11%) e dentista (1,59% para 0,25%), respectivamente.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em novembro, taxa de variação de 0,39%, acima do resultado do mês anterior, 0,16%. Dois dos três grupos componentes do índice apresentaram aumento: materiais e equipamentos (0,22% para 0,27%) e mão de obra (0,03% para 0,50%). Já a taxa do grupo serviços recuou de 0,52% para 0,29%.