Inflação cai para 0,14% em abril e entra na meta, segundo IBGE

A inflação anualizada não era tão baixa há quase uma década: em julho de 2007, essa taxa ficou em 3,74%

São Paulo – A inflação no Brasil, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 0,14% em abril.

O acumulado dos últimos 12 meses ficou em 4,08%, já abaixo do centro da meta do governo, que é de 4,5% com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima (6%) ou para baixo (3%).

A inflação anualizada não era tão baixa há quase uma década: em julho de 2007, essa taxa ficou em 3,74%.

Os números foram divulgados na manhã desta quarta-feira (09) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A inflação de abril caiu em relação a março, quando registrou 0,25%, e em relação a abril do ano passado, quando ficou em 0,61%.

Nos quatro primeiros meses de 2017, o IPCA acumula 1,10%, bem abaixo dos 3,25% registrados no mesmo período de 2016.

Grupos

Um dos itens que derrubaram a inflação em abril foi a queda de 6,39% nas contas de energia elétrica, que sozinha, teve impacto negativo de 0,22 ponto percentual na taxa final.

Isso foi resultado, em parte, de uma decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de que consumidores deveriam ser ressarcidos por uma cobrança indevida de encargo da usina de Angra III.

O grupo Habitação, que inclui as contas de energia, caiu de 1,18% em março para -1,09% em abril.

Já os combustíveis caíram 1,95% puxados tanto por gasolina (-1,75%) quanto pelo etanol (-3,33%).

Como esses itens respondem por 5% da despesa das famílias, impactaram o IPCA para baixo em 0,10 ponto percentual.

Mas ainda assim o grupo Transportes caiu menos do que em março (de -0,86% para -0,06%) em parte por causa de pressões dos itens passagens aéreas (15,48%) e ônibus urbanos (0,69%).

Alimentação e Bebidas, de longe o grupo com maior peso no índice, subiu de 0,34% em março para 0,58% em abril.

As maiores altas mensais foram nos produtos tomate (29,02%), batata-inglesa (20,81%) e cebola (6,03%). O feijão-preto teve a maior queda: 8,29%.

O grupo Saúde e Cuidados Pessoais foi de 0,69% em março para 1% em abril puxado por uma alta de 1,93% nos medicamentos que sozinha, impactou o IPCA para cima em 0,07 ponto percentual.

Grupo Variação março, em % Variação abril, em %
Índice Geral 0,25 0,14
Alimentação e Bebidas 0,34 0,58
Habitação 1,18 1,09
Artigos de Residência -0,29 -0,28
Vestuário -0,12 0,48
Transportes -0,86 -0,06
Saúde e cuidados pessoais 0,69 1,00
Despesas pessoais 0,52 0,09
Educação 0,95 0,03
Comunicação -0,63 0,55

 

Grupo Impacto março, em p.p. Impacto abril, em p.p.
Índice Geral 0,25 0,14
Alimentação e Bebidas 0,09 0,15
Habitação 0,18 -0,17
Artigos de Residência -0,01 -0,01
Vestuário -0,01 0,03
Transportes -0,16 -0,01
Saúde e cuidados pessoais 0,08 0,12
Despesas pessoais 0,06 0,01
Educação 0,04 0,00
Comunicação -0,02 0,02

O Boletim Focus, divulgado semanalmente pelo Banco Central com as expectativas econômicas do mercado, mostrou sinais divergentes na edição da última segunda-feira (08).

A projeção do IPCA em 2017 caiu pela nona semana consecutiva, de 4,03% para 4,01%, enquanto a perspectiva para 2018 subiu pela primeira vez em quatro semanas, indo de 4,3% para 4,39%.

Os economistas continuam vendo ao final deste mês um novo corte de 1 ponto percentual nos juros, atualmente em 11,25%.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Não existe mérito nenhum do governo, apenas o país está na miséria e não há dinheiro para se comprar nada.

  2. persianasflaci.blogspot.com

    E o pais esta nessa crise toda , isso tudo é mentira …