Ibre da FGV projeta crescimento do PIB em 1,1% em 2019

Com relação à inflação, a economista espera que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique abaixo de 3,5%

São Paulo — A economista e coordenadora do Boletim de Macroeconomia do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), Silvia Matos, disse esperar que economia brasileira cresça 1,1% este ano. Ela participou na manhã desta quarta-feira, 11, do Seminário FGV Ibre – Estadão: Perspectivas 2019 – 3º Trimestre.

Antes de anunciar sua projeção de crescimento para este ano, Silvia destacou que sempre descartou a ocorrência de recessão técnica no segundo trimestre. Ao contrário, afirmou que esperava alguma retomada. “A retomada gradual no cenário de confiança e a melhora nas condições financeiras corroboram este cenário”, disse a economista.

De acordo com Silvia, com exceção da indústria, todos os setores da economia mostraram melhora nas expectativas. Para o terceiro trimestre, no entanto, o cenário se mostra mais desafiador, podendo reduzir crescimento por causa de, entre outras coisas, a recessão na Argentina.

Veja também

Para 2020, o Ibre mantém a projeção de 1,8% de crescimento do PIB. “Nunca esperamos crescimento muito grande para 2020 por causa da piora do cenário externo”, disse Silvia.

Com relação à inflação, a economista espera que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique abaixo de 3,5%, o que deverá ampliar o espaço para o Banco Central (BC) continuar reduzindo a taxa básica de juros.

Nesta terça (10), o governo Bolsonaro aumentou sua expectativa para o crescimento do PIB em 2019 para 0,85%. De acordo com as informações publicadas no último boletim Focus divulgado pelo Banco Central, o mercado financeiro esperava um crescimento de 0,87%.

Desemprego

A taxa de desemprego, segundo Silvia Matos, deve perder espaço nas manchetes para a contínua queda da renda. “A taxa de desemprego não é tão importante”, disse a economista ao ser perguntada sobre como vê a taxa de desemprego no final do ano.

De acordo com a economista, a taxa de desemprego vai continuar caindo muito lentamente. E a razão para essa lentidão da queda prevista da taxa do desemprego é a volta das pessoas às ruas na busca de uma vaga de emprego.

“As pessoas estão voltando a procurar emprego, tentando resolver o problema do desalento”, disse a economista do Ibre, para quem este fenômeno está acirrando a competição no mercado de trabalho o que leva à redução da renda.

A taxa de desemprego, segundo os parâmetros da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad Contínua) está em 11,8%.