Henry Kissinger: “Relação entre a China e os EUA é vital para o mundo”

O ex-secretário de Estado americano se reuniu nesta quinta-feira com o presidente chinês, Xi Jinping

Pequim – O ex-secretário de Estado dos Estados Unidos, Henry Kissinger, pediu nesta quinta-feira a Estados Unidos e China que adotem “uma perspectiva mais ampla” ao abordarem suas relações, que são vitais para o mundo e que se deterioraram nos últimos meses pela guerra comercial e as tensões no Mar da China Meridional.

“Estados Unidos e China são duas grandes potências e suas relações devem melhorar porque são de vital importância para ambos e para o mundo”, disse hoje o veterano diplomata depois de se reunir em Pequim com o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, informou o ministério do país asiático em comunicado.

Kissinger, de 95 anos, admitiu que nos EUA existe certa “hostilidade” contra a segunda maior economia do mundo, mas ponderou que esta não é a “corrente principal” da opinião pública de seu país, que não deve ver o gigante asiático como um “oponente”.

“É necessário que as duas partes abordem suas relações de uma perspectiva mais ampla e alcancem consensos para conseguir um desenvolvimento estável e de longo prazo dos laços bilaterais”, afirmou Kissinger, um dos artífices do restabelecimento das relações sino-americanas há mais de 40 anos.

Wang, por sua vez, considerou que China e Estados Unidos “podem” e “devem” resolver suas diferenças comerciais “de forma adequada”, isto é, “através de um diálogo em pé de igualdade”.

“A cooperação pode ser benéfica para ambas as partes e é a única opção correta para os dois países. Os interesses comuns são mais importantes que as diferenças”, acrescentou o chanceler chinês.

Na terça-feira, o vice-presidente chinês, Wang Qishan, disse em Singapura que o país asiático está preparado para iniciar um diálogo com os EUA para chegar a um acordo “aceitável para as duas partes” em matéria comercial.

As duas principais potências econômicas do mundo mantêm desde julho uma guerra tarifária, que se soma a uma série de recentes episódios de tensão no Mar da China Meridional, onde navios americanos navegaram por águas que a China reivindica como suas, ato que Pequim considera uma “provocação”.

A oferta do vice-presidente chinês e as palavras do chanceler coincidem com o anúncio recente do reatamento nesta sexta-feira da segunda rodada de diálogo sobre segurança e diplomacia em Washington, que tinha sido adiada em outubro.

O reatamento dos contatos acontece depois da conversa que Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, mantiveram na semana passada. Os dois se reunirão na próxima cúpula do G20 que será realizada no fim deste mês na Argentina.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s