Guedes não pediu que saques do FGTS fossem antecipados, diz Caixa

Antecipação do cronograma foi consequência direta do uso da tecnologia e do bom andamento das liberações anteriores, diz o presidente da Caixa

Brasília — O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, em nenhum momento solicitou ao banco que os saques do FGTS pelos trabalhadores fossem antecipados.

Hoje, a Caixa anunciou que todos os trabalhadores com direito ao saque imediato do FGTS, de até R$ 500 por conta, receberão os recursos até o fim deste ano. Antes, o cronograma iria até março de 2020.

Ao permitir a liberação dos recursos para todos ainda em 2019, a Caixa projeta a liberação de cerca de R$ 40 bilhões na economia ainda este ano.

Questionado se isso teria sido consequência de um pedido de Guedes, como foco no estímulo à economia, Guimarães afirmou que não houve nenhuma solicitação. Segundo ele, a antecipação do cronograma foi consequência direta do uso da tecnologia e do bom andamento das liberações anteriores.

Em 40 dias, de acordo com o banco, já foram liberados R$ 15,4 bilhões para cerca de 37,3 milhões de trabalhadores. O montante leva em conta as pessoas que possuem conta poupança na Caixa – e por isso receberam antes – e as que não possuem relação com o banco – e começaram a receber em 18 de outubro.