Guedes anuncia três secretários e confirma Marcelo Guaranys como número 2

O futuro superministro da Economia desenha sua estrutura de trabalho com nomes técnicos que têm experiência nos setores designados

Brasília – O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou neste sábado (8) mais seis nomes para compor sua equipe de seu “superministério” do governo Bolsonaro.

Como secretário-executivo, Guedes indicou Marcelo dos Guaranys, que hoje trabalha na Casa Civil. Ele é funcionário de carreira do Tesouro Nacional e já foi diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Hoje, integra o seleto grupo de funcionários considerados “super técnicos” da Esplanada pela experiência e conhecimento que possuem e podem transitar em vários órgãos do governo federal.

Para a Secretaria da Fazenda, Guedes nomeou Waldery Rodrigues Junior. Ele terá como adjunto o atual ministro do Planejamento, Esteves Colnago, de acordo com o desenho que está sendo montado para a pasta.

Waldery hoje é coordenador-geral na Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda. Esteves Colnago é servidor de carreira do Banco Central.

Para a Secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, o futuro ministro indicou o advogado Paulo Uebel, especialista em direito tributário e financeiro.

Uebel foi CEO do Lide e é ex-secretário de Gestão do governo João Doria, em São Paulo. Seu adjunto será o atual secretário executivo do Ministério do Planejamento, Gleisson Rubin.

O economista Carlos da Costa será Secretário Geral de Produtividade e Competitividade. Executivo nos setores de educação e serviços profissionais, recentemente foi Diretor de Planejamento, Crédito e Tecnologia do BNDES.

Antes, presidiu o Instituto de Performance e Liderança, foi executivo residente no JP Morgan e sócio-diretor do Ibmec Educacional, onde fundou e dirigiu a Faculdade em São Paulo.

Possível anúncio

O relator da Reforma Trabalhista, o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), deve ser indicado nos próximos dias para comandar a área de Previdência Social da nova pasta.

Uma secretaria especial deverá ser criada para ficar sob a direção de Marinho. A ideia inicial era que a Previdência ficasse na secretaria de Previdência e Arrecadação, que ficará com o economista Marco Cintra.

O desenho não está fechado, mas fontes informaram que Guedes quer passar com a escolha de Marinho uma mensagem importante de reforço na reforma da Previdência que pode ajudar na negociação com o Parlamento.

Deputado federal pelo PSDB, Marinho não foi reeleito nas eleições passadas, mas Guedes, com a nova indicação, quer dar mais destaque à reforma da Previdência dentro da estrutura do Ministério da Economia.

Como relator reforma trabalhista, considerada difícil e impopular, Marinho tem experiência para ajudar nas negociações com o Congresso, que serão necessárias para aprovar a reforma da Previdência. Com uma nova secretaria, o Ministério da Economia terá sete secretarias.