Giannetti: retomada econômica será de mais Brasil, menos Brasília

Economista fechou o evento Encontro de CEO´s de EXAME, promovido na manhã de hoje, dia 8, em São Paulo

São Paulo – Para explicar a diferença econômica entre decisões táticas e estratégicas de empresas e governos, o economista Eduardo Giannetti usou exemplos práticos do cotidiano.

“Comer um brigadeiro é uma decisão tática, fazer regime é estratégia. Namorar é uma decisão tática, casar e ter filhos, estratégica”, exemplificou ele. “O Brasil toma hoje decisões táticas depois de uma grande frustração com o impeachment de (a ex-presidente) Dilma. Agora é hora de pensar no que queremos para o país a longo prazo”.

Para ele, a onda mais otimista que começou com o início do mandato de Temer, cuja qualidade da equipe econômica e propostas de reformas foram muito bem recebidas, caiu por terra depois da delação premiada de Joesley Batista, em maio. O risco político virou realidade.

“Depois disso, a má notícia é que o tempo de aprovação das reformas foi prejudicado, com sinais de recuperação econômica ainda ambíguos”, afirmou o economista. “A boa, é que o país mostrou resiliência. A situação piorou, mas estamos longe de viver um inferno”.

A palestra de Giannetti fechou o evento Encontro de CEOs EXAME, realizado na manhã de hoje, dia 8, em São Paulo. Na ocasião, empresas que passam muito bem pela crise, algumas vencedoras da premiação de Melhores e Maiores de 2016.

“Vimos exemplos de companhias otimistas e desbravadoras, mesmo no cenário adverso, focadas em decidir de forma estratégica, em olhar para o futuro”, comentou ele pouco antes de salientar que reações assim farão toda a diferença para que se estabeleça um ambiente de negócio favorável para o país como um todo.

Reformas e controle

Além da habilidade de adaptação e da proposta de integração do país ao fluxo mundial de comércio, o economista aposta que a retomada da economia se dará baseada na ideia de as decisões serem balizadas pensando mais no Brasil e menos em Brasília.

Só assim o país terá o controle fiscal e a distribuição de verba em pontos cruciais para o desenvolvimento econômico de que tanto precisa.

De acordo com ele, a carga tributária bruta do Brasil é 35% do PIB, sendo que 45% da renda nacional brasileira transita pelo setor público, ou seja, é gasta por intermediação do governo.

Dos 45%, dois itens representam 20%: previdência (12%) e juros (8%). Ainda assim, temos um investimento pífio de 2,5% do PIB ao ano e indicadores sociais de saneamento e infraestrutura desanimadores.

“Vamos ter de abrir essa caixa-preta e reavaliar a maneira como é feita a distribuição de recursos”, disse Giannetti. “Brasília vai ter de diminuir de tamanho e liberar verba para a atividade fim.”

Por último, a proposta do economista é tida, por ele mesmo, como delicada: reforma política.

“Se tudo isso existe, é melhor saber que não saber”, disse, comparando a situação anterior, em que a abrangência da corrupção era desconhecida da maioria dos brasileiros, a um câncer que come as entranhas do país sem ninguém ter ciência.

O que faremos a partir disso, as decisões estratégicas que tomaremos, fará agora toda a diferença para o futuro do Brasil, diz Giannetti.

“Nós nos extraviamos a tal ponto que devemos estar no bom caminho”, conclui ele, citando o escritor português Fernando Pessoa.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Severino de Araújo Ferreira

    Economista e intelectual brilhante. Eduardo é um ótimo brasileiro. Ele se refere as reformas que vem sendo propostas e algumas já aprovadas, dentre elas a mais importante é a da previdência. São estratégicas para o país.