Gazprom exige pagamento antecipado de US$ 1,66 bi por gás

A companhia russa apresentou à Ucrânia uma fatura de US$ 1,66 bilhão de pagamento antecipado pelo consumo estimado de gás

Moscou – A companhia russa Gazprom apresentou nesta terça-feira ao ucraniano Naftogaz uma fatura no valor de US$ 1,66 bilhão de pagamento antecipado pelo consumo estimado de gás na Ucrânia no mês de junho.

A Ucrânia corre o risco de ficar sem o combustível se não pagar o valor devido à Rússia, uma vez que a Gazprom já anunciou que interromperá o fornecimento de gás à Ucrânia em 3 de junho se Kiev não pagar antecipadamente a provisão correspondente ao próximo mês, como anunciou ontem seu presidente, Alexei Miller.

“A fatura foi apresentada baseada nos volumes (mínimos) estipulados pelo contrato, de 114 milhões de metros cúbicos por dia. A Naftogaz deve pagar essa fatura antes de 2 de junho”, disse aos jornalistas o porta-voz oficial do monopólio russo, Sergei Kupriyanov.

A estatal ucraniana deverá pagar US$ 1,66 bilhão por 3,42 bilhões de metros cúbicos de gás com base em um preço de US$ 486,5 para cada mil metros cúbicos de combustível.

“Hoje, a dívida acumulada (da Ucrânia com a Gazprom) chega a US$ 3,508 bilhões”, ressaltou Kupriyanov.

O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, ordenou ontem que a Gazprom “deixe de ser babá” da Ucrânia e assuma o sistema de pagamento antecipado pelo gás russo.

“Acho que a Gazprom já fez todo o possível para tentar resolver esta situação de outra maneira”, defendeu o chefe do governo russo, que ressaltou que Kiev “tem dinheiro” para honrar a dívida.

O ministro de Energia da Rússia, Aleksandr Novak, lembrou que a Ucrânia já recebeu a primeira parcela (US$ 3,2 bilhões) do crédito de US$ 17,1 bilhões do empréstimo dado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).