Alimentação e Vestuário diminuíram taxa do IPC-S

Em cada uma dessas classes de despesa houve taxas de inflação mais fracas ou deflação em itens de peso no cálculo da inflação varejista

Rio de Janeiro – Desacelerações e quedas nos preços de Alimentação (de 1,76% para 1,36%), de Vestuário (de 0,28% para -0,12%) e de Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,56% para 0,43%) levaram à taxa menor do IPC-S, que passou de 0,97% para 0,93%, entre a segunda e a terceira quadrissemanas de janeiro.

Em cada uma dessas classes de despesa houve taxas de inflação mais fracas ou deflação em itens de peso no cálculo da inflação varejista. É o caso das movimentações de preços em carnes bovinas (de 2,08% para 0,29%), roupas (de 0,01% para -0,47%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,92% para 0,41%), respectivamente, no período.

Em contrapartida, houve aumentos mais intensos nos preços de Educação, Leitura e Recreação (de 2,37% para 3,39%), Habitação (de 0,28% para 0,32%), Despesas Diversas (de 0,20% para 0,30%) e Transportes (de 0,72% para 0,77%).

Entre os produtos analisados, as mais expressivas elevações de preços na terceira quadrissemana de janeiro foram encontradas em tomate (19,73%); curso de ensino superior (4,41%); e tarifa de ônibus urbano (1,77%). Já as mais expressivas quedas de preço foram registradas em limão (-30,90%): leite tipo longa vida (-1,72%); e passagem aérea (-5,93%).