Ferrovias e BRT são exemplos de dinheiro desperdiçado em infraestrutura

Trilhos tomados por mato e lixo e erros de elaboração ou execução de projetos deixam malhas abandonadas e serviços deficitários

São Paulo — O setor de transportes coleciona empreendimentos abandonados. O setor ferroviário, por exemplo, chegou a ter 37 mil quilômetros (km) de trilhos, mas a falta de investimentos fez a malha encolher para 28 mil km. Nesse número, porém, estão trechos desativados, a exemplo das linhas paulistas de Pradópolis/Colômbia; Bauru/Tupã/Panorama; e Santos/Cajati.

Nesses ramais, os trilhos foram invadidos por mato e até pela população, que construiu às margens ou sobre as ferrovias. “Só em São Paulo, são cerca de 800 km de estradas de ferro que foram desativadas, abandonadas e degradadas”, diz José Manoel Ferreira Gonçalves, da Frente Nacional pela Volta das Ferrovias.

Veja também

A Agência Nacional de Transportes Terrestres diz que, mesmo não sendo usada, a malha deve ser mantida pela concessionária em condições de operação. Não é o que se vê, por exemplo, no trecho entre Santos e Cajati, no Vale do Ribeira. Segundo a ANTT, calcula-se que hoje dois terços da malha brasileira tenha tráfego. Ou seja, um terço da ferrovia – que significa 9 mil km – não é usada.

A concessionária Rumo, responsável pela malha paulista, disse que os ramais de Pradópolis/Colômbia e Bauru/Tupã/Panorama fazem parte da concessão assumida em 2015. Ela afirma que os dois trechos estão desativados desde 2006. “Com a prorrogação da concessão da Malha Paulista até 2058, serão viabilizados R$ 7 bilhões em investimentos. O plano prevê reativação dos ramais citados.” Já no trecho Santos/Cajati, diz a Rumo, estudos mostraram a inviabilidade do transporte de cargas em larga escala.

Como as ferrovias, outro projeto que foi abandonado e precisa de um novo destino é o BRT Transoeste, na capital fluminense. Inaugurada em 2012 com a presença do então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, a obra custou à prefeitura do Rio de Janeiro cerca de R$ 900 milhões. Hoje, das 125 estações, 22 estão desativadas.

O interventor do BRT, Luiz Alfredo Salomão, contratado para encontrar uma solução para os empreendimentos, diz que houve uma série de problemas na Transoeste. A obra foi construída sem projeto executivo e hoje a pista não aguenta o peso dos ônibus. A calha foi construída com asfalto normal em terreno argiloso e mole. Com o peso dos veículos, o asfalto foi cedendo e tornando inviável o transporte. “Foi um grande erro de engenharia, uma pista sem salvação”, diz Salomão.

Além disso, a estrutura não tinha segurança para impedir a entrada de passageiros sem pagar, o que causava prejuízo de R$ 5 milhões por mês aos cofres públicos. As estações construídas com materiais modernos foram depenadas e viraram abrigo para moradores de rua. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.