Falta de chuvas preocupa produtores de soja do RS

80% da área semeada no Estado está sendo afetada pelas condições climáticas

São Paulo – A falta de chuvas está prejudicando lavouras de soja no Rio Grande do Sul, terceiro maior Estado produtor, disse o órgão de assistência técnica local, embora ainda não haja projeções de perdas acentuadas.

“O clima seco e as altas temperaturas ocorridos recentemente têm ocasionado o murchamento das plantas e a queda de flores e vagens”, disse a Emater/RS, em nota.

Poderá haver queda no potencial produtivo de algumas lavouras, principalmente aquelas implantadas em solo mais raso, disse a Emater.

“As condições adversas afetam principalmente as lavouras que estão nas fases de floração e iniciando a formação das vagens, o que compreende 80 por cento do total semeado no Estado.” A Emater também alerta que algumas áreas estão sofrendo com o intenso ataque de lagartas e ácaros, o que obriga os produtores a continuar pulverizando as lavouras com pesticidas.

Apesar da preocupação, a Emater afirma que a maioria das lavouras apresenta desenvolvimento “muito bom”, mantendo expectativa de produção.

A projeção mais recente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é de que o Rio Grande do Sul produza um recorde de 12,2 milhões de toneladas de soja, praticamente dobrando o volume ante a temporada anterior, afetada por uma seca severa.

Ao final de janeiro, produtores gaúchos já mostravam preocupação com o período de estiagem prolongada, revivendo as lembranças do drama de 2012.

A Somar Meteorologia projeta retorno “irregular” das precipitações ao Rio Grande do Sul nos próximos dias.