Expectativa para Selic em 2018 do Boletim Focus cai a 9%

Projeção para a Selic no ano que vem feita por economistas consultados pelo Banco Central registrou a quarta semana seguida de redução

São Paulo – A expectativa para a taxa básica de juros em 2018 voltou a cair nesta segunda-feira na pesquisa Focus do Banco Central, em que os economistas realizaram pequenos ajustes em suas projeções.

A projeção para a Selic no ano que vem agora é de 9 por cento, contra 9,38 por cento antes, na quarta semana seguida de redução.

Para este ano, a conta permaneceu em 9,50 por cento, com os especialistas consultados vendo na reunião de fevereiro do BC um corte de 0,75 ponto percentual na Selic, atualmente em 13 por cento.

O Top-5, que reúne as instituições que mais acertam as projeções, entretanto, veem a Selic a 9,5 por cento tanto este ano quanto no próximo.

A expectativa para a alta do IPCA em 2017 foi ajustada para baixo em 0,01 ponto percentual, a 4,70 por cento. Já para 2018 permaneceu sendo de 4,5 por cento. Para os dois anos, a meta é de 4,5 por cento, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Já as contas para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) não foram alteradas, com perspectiva de expansão de 0,50 por cento em 2017 e de 2,20 por cento em 2018.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. claudio linhares

    Ora, se a SELIC se mantivesse no patamar em que estava seria o cúmulo do absurdo, pois a taxa de inflação está em queda livre, junto com a atividade econômica. A inflação baixa eleva a taxa de juros real mesmo com a SELIC estabilizada, então a queda da SELIC apenas evita que haja uma subida dos juros que não seria nominal, mas real (taxa que resulta de: SELIC menos inflação)
    Na verdade continuamos com a taxa de juros real entre as mais alta do mundo e próxima da que existia antes de começar o viés de baixa da SELIC, de modo que esta propalada redução dos juros é um tanto enganosa.
    E o pior é que a queda da inflação está sendo resultado de uma recessão profunda, para a qual o governo não tem medidas concretas e eficientes de reversão.