Excesso de veículos preocupa até montadoras

A autoindústria mundial deve colocar cerca de 80 milhões de veículos nas ruas das grandes cidades

São Paulo – A indústria automobilística mundial deve colocar neste ano nas ruas perto de 80 milhões de veículos. São tantos automóveis que os próprios fabricantes já começam a buscar mais intensamente medidas que evitem o colapso no trânsito nas grandes cidades.

Candidato a ser o maior fabricante mundial de veículos, mas preocupado com a falta de mobilidade em várias metrópoles, o grupo alemão Volkswagen, por meio de sua marca de luxo Audi, vai apoiar projetos que apresentem soluções para o caos urbano. O Brasil, que este ano deve bater recorde de vendas, com cerca de 3,6 milhões de novos automóveis e caminhões nas ruas, está entre os seis países que concorrem ao Audi Urban Future Award com um projeto de mobilidade para a região da Luz, em São Paulo.

Se for eleito por um grupo de especialistas convidados pela Audi, o projeto brasileiro – a cargo do escritório local da Urban Think Tank – receberá apoio financeiro da fabricante alemã para ser adotado localmente, em parceria com as autoridades do município. Os outros concorrentes são China (Pearl River Delta), Estados Unidos (Boston/Washington), Índia (Mumbai), Japão (Tóquio) e Turquia (Istambul).

Na semana passada, a convite da Audi, o especialista em trânsito e professor da universidade alemã Duisburg-Essen, Michael Schreckenberg, esteve em São Paulo para ver de perto a situação do trânsito na cidade. Na manhã de terça-feira, ele percorreu, junto a reportagem do Estado, algumas das principais rotas de congestionamento: Marginal Pinheiros, Elevado Costa e Silva, Radial Leste, 23 de Maio e a região da Luz, alvo do projeto que será apresentado na Alemanha em outubro. Das várias megacidades que conheceu – entre as quais Tóquio, Moscou, Londres, Paris, Seul e Nova York -, São Paulo foi a que mais chamou a atenção do especialista pela escassez de transporte público eficiente. “Há locais com trânsito até mais caótico, mas não vi outra metrópole que dependa tanto do deslocamento em automóvel como São Paulo”, diz Schreckenberg.

A arquiteta e pesquisadora Lígia Nobre, que acompanha o projeto da Audi e do escritório Urban Think Tank (que reúne arquitetos, engenheiros, paisagistas e ambientalistas), lembra que a cidade de São Paulo tem frota registrada de mais de 7 milhões de veículos, segundo o Detran, e que 3,8 milhões de veículos circulam diariamente pelas ruas da cidade. Segundo ela, a ajuda financeira que será dada pela montadora para a adoção do projeto vencedor ainda não foi definida. Já o escritório de arquitetura que apresentar o projeto mais viável receberá 100 mil. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.