Canadá e EUA disputam 1º lugar em crescimento econômico do G-7

Dois países com crescimento mais forte no grupo das maiores economias estão lidando de forma bem diferente com envelhecimento da população

Economistas esperam uma disputa entre Canadá e Estados Unidos pelo primeiro lugar entre os países do G-7 com maior crescimento em 2020. No entanto, os dados mais recentes de população revelam que as duas forças que impulsionam suas expansões são muito diferentes.

O Escritório do Censo dos EUA divulgou em 30 de dezembro que a migração internacional líquida nos EUA caiu pelo terceiro ano consecutivo em 2019, atingindo o nível mais baixo em dez anos, para 595.000.

Considerando a redução da taxa de natalidade, isso ajudou a desacelerar o crescimento anual da população para o ritmo mais fraco em um século, segundo análise do demógrafo William Frey, da Brookings Institution.

No ano passado, o Canadá registrou imigração líquida de 437.000 pessoas, apesar de o país ter apenas um décimo do tamanho dos EUA. Com isso, o país mostrou o maior aumento populacional em 30 anos, mesmo com a queda da fertilidade.

Os dados mostram que os dois países contam com diferentes fatores para combater a tendência global do envelhecimento demográfico.

Embora o Canadá tenha adotado uma política de imigração de peso para aumentar a produção, os EUA se saíram melhor ao aproveitar a força de trabalho doméstica e gerar ganhos de produtividade.

Ainda não se sabe o modelo de desenvolvimento predominante em 2020. Economistas consultados pela Bloomberg News dão vantagem aos EUA, com crescimento projetado de 1,8% contra 1,6% do Canadá.

Ambas as previsões são muito mais altas que as estimativas para outros cinco países do G-7, cuja expansão média deve ficar em 0,7%.

País do G-7: Estimativas do PIB para 2020

EUA – 1,8%

Canadá – 1,6%

França – 1,2%

Reino Unido – 1%

Alemanha – 0,6%

Itália – 0,5%

Japão – 0,3%

No entanto, o impulso da imigração levou um banco a prever que o Canadá ultrapassará os EUA.

Favorecido por fortes aumentos anuais de população de 1,5%, o crescimento do Canadá poderia “facilmente” superar a expansão dos EUA este ano, “especialmente com alguma certeza sobre o USMCA”, disse em nota o economista-chefe do Bank of Montreal, Doug Porter, em referência ao novo acordo comercial da América do Norte.

Ponto positivo

A expansão demográfica do Canadá impulsionada pela imigração foi um dos poucos pontos positivos da economia, o que teria sustentado a força do trabalho e o mercado imobiliário.

Sem o crescimento da população, o país seria marcado por uma expansão muito mais lenta, já que os ganhos de produtividade permanecem fracos há anos. A produtividade do trabalho no Canadá aumentou 0,6% em relação ao ano anterior, contra 1,5% nos EUA.

Desde 2015, o número de imigrantes que chegam anualmente ao Canadá mais do que dobrou – o oposto do que está acontecendo nos EUA, onde a migração internacional líquida caiu quase pela metade. Em 2019, a população dos EUA aumentou em 0,5%, apenas um terço do ritmo do Canadá.

As razões por trás da trajetória descendente nos EUA incluem menos estrangeiros se mudando para o país, mais estrangeiros saindo e mudanças na migração porto-riquenha, de acordo com o Escritório do Censo dos EUA.

Políticas de imigração mais restritivas do governo Trump também reduziram o interesse de estudantes e trabalhadores estrangeiros, beneficiando o vizinho do norte.

Estrangeiros se dirigem ao Canadá enquanto EUA registra imigração mais baixa em uma década Estrangeiros se dirigem ao Canadá enquanto EUA registra imigração mais baixa em uma década. Em branco: saldo migratório internacional líquido do Canadá. Em azul: saldo migratório internacional líquido dos EUA.

Estrangeiros se dirigem ao Canadá enquanto EUA registra imigração mais baixa em uma década. Em branco: saldo migratório internacional líquido do Canadá. Em azul: saldo migratório internacional líquido dos EUA. (Gráfico/Bloomberg)