EUA começam a sentir expansão sete anos após crise

Somente agora pode-se ver os salários começando a subir, o aumento do poder de compra e a melhora da confiança do consumidor

Junho de 2009 foi o fim de uma era: a crise mais dolorosa desde a Grande Depressão dos anos 1930 havia terminado e começou o processo de cura da economia.

Mas o fato é que, para muitos americanos, os últimos sete anos não foram sentidos como um período de retorno da prosperidade.

Isto está começando a mudar. A recuperação dos EUA está sendo longa segundo os padrões históricos, já que as expansões no período pós-guerra duraram apenas uma média de cerca de cinco anos desde 1945.

Mesmo assim, somente agora pode-se ver os salários começando a subir, o aumento do poder de compra e a melhora da confiança do consumidor.

“Estamos fazendo progresso, foram sete anos até aqui”, disse o diretor do Federal Reserve Jerome Powell durante uma sessão de perguntas e respostas na noite de terça-feira.

“Se pudermos ter mais alguns anos de progresso nesse ritmo, em que há crescimento — um crescimento lento, mas com inflação de 2 por cento e mercado de trabalho apertado –, o sentimento é muito melhor do que em 2012 e 2013 e eu quero que continue assim”.

É mais fácil conseguir e manter o emprego

A melhora econômica mais notável desde o fim da recessão chegou ao mercado de trabalho. A taxa de desemprego caiu pela metade e agora está em 4,7 por cento, contra uma alta de 10 por cento em 2009. Cerca de 268.000 pessoas entraram com pedido de seguro-desemprego na semana passada, contra 595.000 durante a segunda semana de junho de 2009. A geração de empregos mais que dobrou.

A questão é que a melhora do mercado de trabalho nem sempre foi sentida: em alguns casos, pessoas que perderam empregos bem remunerados e qualificados se viram depois em trabalhos com salários menores e incompatíveis com suas qualificações. Para as pessoas que se formaram nos primeiros anos da recuperação, o mercado de trabalho ainda difícil pode ter deixado cicatrizes permanentes.

Participação é menor, mas basicamente devido à demografia

Uma tendência que tirou parte do brilho da queda do desemprego foi a simultânea queda da participação da mão de obra. Embora a maior parte do declínio provavelmente se deva às mudanças demográficas, muitos economistas acreditam que pelo menos parte da queda tenha sido causada pelos desempregados que desistiram de procurar emprego.

Salários começam a subir

Os salários são outro fator que tem impedido o crescimento econômico de ser realmente sentido por muitos americanos. Eles estagnaram após a recuperação. Mas recentemente começaram a subir.

Essa tendência pode se manter quando a economia chegar ao pleno emprego e as empresas começarem a se esforçar mais para atrair funcionários.

O problema

Um dos motivos pelos quais o americano médio ainda poderia sentir que a economia não está funcionando para ele tem menos a ver com as consequências da recessão e mais a ver com a tendência de longo prazo. A globalização provocou a estagnação dos salários dos trabalhadores de classe média em todo o mundo, enquanto as pessoas de renda inferior — que vivem em sua maioria em países em desenvolvimento como a China e a Índia — e as muito ricas avançaram.