Estoque de crédito soma R$ 2,545 trilhões em julho, diz BC

O estoque subiu 0,6% em julho

Brasília – O estoque de operações de crédito do sistema financeiro subiu 0,6% no mês de julho em relação a junho e atingiu R$ 2,545 trilhões, informou o Banco Central, nesta quinta-feira, 29. No trimestre encerrado no mês passado, a carteira cresceu 3,9% e, no acumulado do ano até julho, houve alta de 7,5%. Em 12 meses até o mês passado, cresceu 16,1%.

O saldo de crédito livre ficou estável em julho, mas subiu 9,2% em 12 meses, enquanto o direcionado cresceu 1,3% em julho e 26,6% em 12 meses. No crédito livre, houve crescimento de 1% para pessoas físicas no mês, 4,6% no acumulado do ano e 8,2% em 12 meses.

Para as empresas, no crédito livre houve baixa de 1,1% no mês e altas de 1,9% no ano e de 10,1% em 12 meses. O total de operações de crédito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) passou de 55,2% em junho para 55,1% em julho.

Juros

A taxa média de juros no crédito livre subiu de 26,6% ao ano em junho para 27,5% ao ano em julho. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 34,8% ao ano para 36,2% ao ano. Para a pessoa jurídica, avançou de 19,4% ao ano para 20,0% ao ano na mesma comparação.

Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física, destaque para o cheque especial, cuja taxa subiu de 136,8% ao ano para 137,5% ao ano na mesma comparação. Para o crédito pessoal, avançou de 38,0% ao ano para 39,8% ao ano. Para veículos, os juros subiram de 19,5% ao ano para 20,3% ao ano.


A taxa média de juros no crédito total, que inclui também as operações direcionadas, subiu de 18,5% ao ano em junho para 19,1% ao ano em julho. O juro médio do crédito direcionado passou de 7,1% ao ano para 7,2% ao ano na mesma comparação.

Inadimplência

A taxa de inadimplência no crédito livre ficou estável em julho ante junho. Os atrasos acima de 90 dias no crédito livre ficaram em 5,2% pelo segundo mês seguido. Para pessoa física, se manteve em 7,2%. Para as empresas, o porcentual continuou em 3,5%. A inadimplência do crédito direcionado caiu de 1,1% em junho para 1,0% em julho. O dado que considera crédito livre mais direcionado mostra inadimplência de 3,3% em julho, ante 3,4% em junho.

No crédito livre para pessoa física, a inadimplência no crédito pessoal se manteve em 4,2%. No cheque especial, caiu de 8,0% para 7,9%. Na aquisição de veículos, caiu de 6,1% para 6,0%. No cartão de crédito, subiu de 25,2% para 25,7%, puxada pela alta de 1,2 ponto porcentual no rotativo.