EUA recorrem à OMC contra subsídios europeus à Airbus

George W. Bush tem sido criticado por seus oponentes democratas por não ser ;duro o suficiente; com os parceiros comerciais dos EUA

Há menos de um mês das eleições presidenciais nos Estados Unidos, a administração Bush apresentou à Organização Mundial do Comércio (OMC), nesta quarta-feira (6/10), uma queixa contra os subsídios europeus à fábrica de aviões Airbus, concorrente direta da americana Boeing. A informação foi publicada pelo jornal inglês Financial Times.

Os democratas, que tentam voltar à Casa Branca com a candidatura do senador John Kerry, têm acusado Bush de não ser suficientemente duro com os parceiros comerciais dos Estados Unidos. Em reação, o republicano já havia ameaçado os europeus em setembro com um processo no âmbito da OMC.

“Desde sua criação há 35 anos, os subsídios à Airbus têm sido justificados como necessários para apoiar uma indústria ‘jovem’. Se é que esse raciocínio foi em algum momento válido, esse momento já passou faz tempo”, afirmou em comunicado Robert Zoellick, representante comercial dos Estados Unidos. Segundo Zoellick, a Airbus vende agora mais aviões civis de grande porte do que a Boeing.

A porta-voz da Comissão Européia, Arancha Gonzalez, afirmou ao Financial Times que a posição do bloco é revidar qualquer pleito americano junto à OMC com uma queixa própria. “Se há uma reclamação dos Estados Unidos, haverá uma reclamação da Europa.”

Na quinta-feira passada, Zoellick e o comissário de comércio europeu, Pascal Lamy, se reuniram para aparar uma série de arestas nas relações bilaterais. O gesto chegou a ser interpretado como um sinal de que a demanda americana – que governos europeus parem de financiar a Airbus no desenvolvimento de novos modelos – poderia ser resolvida via negociação.

A Airbus é controlada pela companhia aeroespacial européia EADS e pela britânica BAE Systems.