Escassez na Venezuela afeta mania nacional: implante no seio

Implantação de silicone é quase um rito de passagem entre as venezuelanas, mas a mania nacional está ameaçada pela escassez generalizada

São Paulo – Além dos governos socialistas, outra marca da Venezuela mundialmente reconhecida é a vaidade de suas mulheres.

Nenhum país tem tantos títulos Miss Universo (sete) e o implante nos seios é um hit entre a população: foram 85 mil operações no ano passado, de acordo com a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética.

Isso coloca o país no 5º lugar no ranking mundial, atrás apenas de Estados Unidos, Brasil, México e Alemanha – todos com populações muito maiores.

“É como um rito de passagem, nossa versão do bar mitzvah”, diz Daniela Holmes, nativa de Caracas, para o Daily Beast

Esta mania nacional, no entanto, já está sendo afetada pela escassez crônica de produtos, a pior da história da Venezuela e que fez sumir das prateleiras dos supermercados de remédios a pão e papel higiênico.

De acordo com a Associated Press, cirurgiões plásticos afirmam que o ritmo de operações caiu radicalmente e que tem sido muito difícil conseguir os implantes aprovados pela agência americana FDA. 

A alternativa tem sido o uso do mercado negro ou de próteses chineses, menos testadas porém mais baratas e mais fáceis de encontrar, já que a China é maior parceiro comercial da Venezuela e sofre menos restrições do governo.

O ex-presidente falecido Hugo Chavez considerava a obsessão nacional pelo aumento de seios uma coisa “monstruosa”, posição hoje ecoada por muitos venezuelanos nas redes sociais.

Cenário

A escassez generalizada é resultado da falta de recursos para comprar importados, consequência dos controles de capitais para segurar a queda do bolívar. A Venezuela tem uma das maiores taxas de inflação do mundo, combatida com políticas de controle de preços. 

Na semana passada, o economista e ex-ministro venezuelano Ricardo Hausman classificou como falha moral a decisão do país de continuar pagando seus títulos estrangeiros ao mesmo tempo que a escassez atinge níveis alarmantes.

O presidente Nicolas Maduro chamou Hausmann de “bandido” e ameaçou tomar medidas legais contra ele. A última medida de Maduro para enfrentar a escassez foi um sistema biométrico para controlar a compra de produtos básicos em supermercados.