Escassez de escritórios em Londres provoca caça a relíquias

Investidores estão em busca de edifícios de escritórios usados, dos anos 1980 e do início dos anos 1990, para comprar e reformar

Londres – Modernas torres de escritórios com apelidos como Walkie Talkie e Cheesegrater estão sendo concluídas na cidade de Londres, dando a impressão de que há muito lugar para uma ressurgente indústria financeira. Perto do chão, as incorporadoras estão se preparando para uma escassez de espaço.

Investidores como a Blackstone Group, a maior buyout firm (empresas que compram outras firmas, normalmente endividadas) do mundo, a Brookfield Office Properties e a Land Securities Group, maior fundo de investimento imobiliário do Reino Unido, estão em busca de edifícios de escritórios usados, dos anos 1980 e do início dos anos 1990, para comprar e reformar, em um momento em que a demanda crescente e uma escassez de espaços nobres na cidade está elevando preços e aluguéis.

“Se as estruturas dos prédios são de qualidade suficiente, nós reposicionamos o produto e nos beneficiamos da lei de oferta e procura”, disse James Lock, diretor-geral da unidade imobiliária da Blackstone, por telefone.

A crise do crédito de 2008 interrompeu a incorporação na cidade, deixando poucas opções para empresas em busca de escritórios maiores no distrito financeiro de Londres. Apenas seis empreendimentos têm 100.000 pés quadrados (9.300 metros quadrados) disponíveis para serem ocupados ao longo dos próximos 12 meses, segundo Chris Vydra, diretor-executivo da corretora de propriedades CBRE Group Inc. A procura de espaços na região subiu 15 por cento nos seis meses até novembro, disse a corretora Knight Frank LLP.

Torres tomadas

As incorporadoras que começaram a construir torres de escritório em 2010 alugaram a maior parte dos espaços antes que os prédios fossem concluídos. A torre localizada no número 20 da Fenchurch Street, um projeto da Land Securities e do grupo Canary Wharf apelidado de Walkie Talkie, tem 64 por cento dos espaços alugados, com inquilinos como a RSA Insurance Group Plc e unidades da Liberty Mutual Insurance, e acordos para mais 23 por cento à espera de aprovação legal, segundo as empresas. A British Land e a Oxford Properties Group disseram que têm acordos para mais de metade do Leadenhall Building, conhecido como Cheesegrater (ralador de queijo), que será concluído em meados deste ano.

A Helical Bar Plc, uma incorporadora com sede em Londres, e a Crosstree Real Estate Partners LLP compraram propriedades de escritórios no número 207 da Old Street, na periferia da cidade, dois anos atrás. A reforma começou em janeiro, depois que os investidores determinaram que não teriam que demolir os edifícios e começar do zero.


A Helical Bar espera obter um lucro de pelo menos 20 milhões de libras (US$ 33 milhões) de sua participação de 33 por cento no projeto de 180 milhões de libras, disse o diretor de desenvolvimento da empresa, Gerald Kaye, em entrevista.

Reformar “é, geralmente, muito mais barato em termos de dinheiro e tempo, e você não precisa passar por um enorme debate com os planejadores”, disse Kaye. “Se você pode realizar uma reforma rapidamente, você está bem posicionado para capitalizar”.

Curto prazo

O “lugar para caçar, para nós e para os outros, é dentro daquele grupo com rendimento em um prazo mais curto, em que podemos gerenciar ativos ou reformar e reconstruir edifícios”, disse Martin Jepson, presidente e diretor de operações da unidade europeia da Brookfield, em entrevista. “Esta é a estratégia que as pessoas buscam naturalmente quando há uma baixa oferta”.

As visitas de potenciais inquilinos no número 99 da Bishopsgate, reconstruído em 1995, dobraram depois que a Brookfield investiu 5 milhões de libras para melhorar o lobby, os terraços e as áreas comuns em outubro, disse Jepson. O prédio de escritórios perto da estação de trens da Liverpool Street tem 60.000 pés quadrados (5.574 metros quadrados) de espaços vazios. “Eu vou ficar decepcionado se esse prédio não for alugado no começo do ano”, disse ele.

Projeto Broadgate

Em dezembro, a GIC Pte of Singapore comprou os 50 por cento de participação da Blackstone no complexo de escritórios Broadgate, de Londres, a maior parte dele construído nos anos 1980. O fundo soberano havia concordado em pagar mais de 1,7 bilhão de libras pela participação, disseram duas fontes com conhecimento da transação, em agosto. Alguns dos edifícios mais antigos do complexo serão reformados, incluindo o número 100 da Liverpool Street, segundo o fundo de Cingapura e a British Land Co. , cada um deles proprietário de 50 por cento do projeto.

Empresas que são inquilinas e não podem deixar seus espaços até 2017 já estão em negociações com a Blackstone para novos aluguéis, disse Lock. “A confiança intrínseca no negócio, combinada com a realidade geral de que a oferta é curta e a concorrência está aumentando, exige que os inquilinos sejam proativos mais cedo”.