Engarrafamento nas grandes cidades indica desigualdade de renda

Em vez de tentar lutar contra carros, talvez valha a pena investir para colocar as pessoas mais perto de seus empregos

A companhia de navegação holandesa TomTom descobriu no decorrer da pesquisa para o seu índice de congestionamento de tráfego de 2018 que as cidades alemãs com os aluguéis de apartamentos mais altos e de mais rápido crescimento também são as mais congestionadas.

Essa descoberta contém uma mensagem importante para os planejadores urbanos: em vez de tentar lutar contra carros, talvez valha a pena investir mais na construção de moradias e na descentralização da infra-estrutura comercial para colocar as pessoas mais perto de seus empregos.

A TomTom descobriu que Hamburgo, a nona cidade alemã mais cara para locatários, é a mais congestionada; Berlim e Stuttgart estão entre as cinco primeiras em termos de níveis de aluguel e congestionamento; Munique, onde os apartamentos são mais caros, é a sexta mais congestionada. A empresa fez esse exercício apenas para a Alemanha, mas a tendência é óbvia nos EUA também. Lá, sete das dez cidades com os aluguéis mais altos e seis das dez cidades mais caras para se viver estão entre as dez com os piores problemas de trânsito.

A explicação da TomTom é que nas cidades mais caras, as pessoas tendem a se mudar para os subúrbios, onde podem pagar os aluguéis – mas ainda viajam para o centro da cidade para trabalhar. “A desconexão do local de residência e do local de trabalho” desempenha um papel importante nos problemas de trânsito das cidades alemãs, escreveu a empresa. O congestionamento, em outras palavras, está pelo menos em certa medida enraizado na desigualdade.

Do ponto de vista de um urbanista ou prefeito, a maneira óbvia de reduzir o congestionamento (e as emissões que produz) é se livrar dos carros, especialmente daqueles que usam combustíveis fósseis. Amsterdã, por exemplo, pretende retirar todos os carros movidos a gasolina e diesel de suas ruas até 2030, muito antes que esses veículos estejam totalmente fora da frota de carros holandeses, que tem, em média, mais de nove anos de idade hoje.

A medida parece progressiva – mas, especialmente em uma cidade antiga como Amsterdã com muita atividade em um único centro, efetivamente penaliza os moradores mais pobres, que tiveram que se mudar para a periferia, longe de seus empregos, e que dificilmente podem pagar novos carros elétricos.

O preço de congestionamento nas cidades e sua forma extrema – proibição de carros mais antigos e mais baratos – transmitem a mensagem não muito sutil de que os centros urbanos não são para os pobres. Se você não puder morar lá, tente não vir de jeito nenhum. Ou use transporte público muitas vezes inconveniente, superlotado e com recursos insuficientes, diminuindo ainda mais seus padrões de vida.

Há maneiras menos dolorosas de transmitir a mesma mensagem, como tentar fornecer mais oportunidades de emprego para mais perto de onde as pessoas forçadas a sair do centro da cidade moram. Embora tenha havido um debate acadêmico sobre a eficácia da “co-localização” no trabalho e na habitação há anos, alguns trabalhos recentes mostram que a tentativa de tornar as cidades mais policêntricas funciona para reduzir o tempo de deslocamento e reduzir o congestionamento. (Portanto, é claro, melhorar os links de transporte público para e de vários centros).

Claro que não funciona isoladamente de outros esforços necessários. Berlim, por exemplo, tem dois centros remanescentes desde o momento em que foi cortada por um muro e uma invejável rede de transporte público – e, no entanto, é a segunda cidade mais congestionada da Alemanha. Os aumentos constantes do aluguel continuam empurrando as pessoas para fora da cidade, e muitos recém-chegados que encontram empregos na capital se estabelecem fora dos limites da cidade, no estado vizinho de Brandemburgo. Em 2018, cerca de 215.600 pessoas mudaram de Brandemburgo para Berlim para trabalhar, 13,9% a mais do que em 2013.

Tradicionalmente, Berlim lutou contra essa tendência tentando controlar os aluguéis. Por decreto-lei municipal, o preço de um novo contrato de locação é vinculado à média da área, grandes aumentos anuais são proibidos e há um movimento poderoso contra as tentativas dos grandes proprietários de obter preços mais próximos do nível do mercado.

Contratos de aluguel, no entanto, há muito são conhecidos pelos economistas como sendo muito menos eficientes do que as novas construções ao pressionar os preços da habitação. E, instintivamente, como querem proibir carros, os administradores da cidade evitam emitir mais licenças de construção. Em Berlim, o número deles continua caindo.

Uma cidade pode reduzir o congestionamento e tornar o ar mais limpo por meio de três esforços paralelos: Permitir o máximo possível de construção de moradias sem sobrecarregar a infraestrutura, tentando descentralizar o emprego e construir a rede de transporte público.

Esses esforços são relativamente caros e, às vezes, as partes de construção e descentralização podem ser impopulares. Mas persegui-los simultaneamente é provavelmente uma maneira mais justa de resolver problemas de congestionamento e qualidade do ar do que limitar artificialmente a mobilidade das pessoas mais pobres.

*Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.