Endividamento dos brasileiros sobe para 45,38%, diz BC

Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento cai de 30,25% da renda anual em setembro para 30,08% em outubro, segundo o BC

Brasília – O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro voltou a subir em outubro, quando atingiu a marca de 45,38%, novo recorde da série histórica iniciada pelo Banco Central em 2005.

Em setembro, a taxa (atualizada) foi de 45,35%, a mesma vista também no mês anterior.

O levantamento considera o total das dívidas dividido pela renda no período de um ano. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento cai de 30,25% da renda anual em setembro para 30,08% em outubro, segundo o BC.

Pela série histórica da instituição, não se via uma taxa tão baixa para esse indicador desde julho de 2010, quando ficou em 30,03%.

Nesta quinta-feira, 20, pela manhã, o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, apresentou uma estimativa menor para o crescimento do crédito em 2014, de 13% ante expectativa de 14% ao final deste ano, entre outras variáveis por conta da diminuição dos financiamentos imobiliários.

O BC informou ainda que o comprometimento de renda dos brasileiros, que considera valores mensais para renda e para as prestações pagas aos bancos, já considerando o ajuste sazonal, passou de 21,37% em setembro para 21,03% em outubro.