Emprego que mais cresce nos EUA paga US$ 10 por hora

Auxiliar de cuidados à domicílio é o emprego de maior crescimento no país,

Boston – A abobrinha amarela possui um ponto podre e feio. “O segredinho da mamãe”, diz Amanda Sheppard enquanto revisa pilhas de produtos na despensa local. Ela pegará o produto, tirará a parte podre com uma faca e a família dela nunca saberá.

As manhas de sobrevivência de Sheppard estão muito aguçadas após sete anos trabalhando como auxiliar de cuidados à domicílio, o emprego de maior crescimento nos EUA. Após escolher uma caixa de Cheerios, ela verifica uma lata de tomates de 2,7 quilos; ela colocará seu conteúdo em jarros de vidro e assim ele durará semanas. Entre as oportunidades que ela abraçou hoje, os almoços escolares gratuitos para seu filho de oito anos e os jantares na Igreja Congregacional, em Middlebury, Vermont, sua família não passará fome.

Comprar no supermercado pode ser um luxo devido ao que ela faz para ganhar a vida, fazendo US$ 9,78 por hora, sem benefícios nem horas garantidas. Ela é uma de mais de 900 mil auxiliares de cuidados à domicílio, enfermeiros que fornecem conforto e companhia a idosos e deficientes e realizam afazeres diários para que eles possam ficar nas suas casas. É uma ocupação muito representativa de uma economia pós-recessão que está criando acima de tudo empregos com salários baixos.

O número de PCA, como eles são chamados, crescerá 70 por cento entre 2010 e 2020, tornando-se o emprego de maior crescimento no país, conforme o Departamento Americano do Trabalho. A profissão está expandindo-se rapidamente à medida que o país envelhece e o Medicaid se foca em manter pessoas fora das casas de repouso e outras instalações. A iniciativa poupa dinheiro e requer um exército de enfermeiros como Sheppard que está ajudando a engrossar as crescentes filas dos pobres que trabalham.


Renda em declínio

Como contratada independente e não na folha de pagamento de uma companhia de cuidados domésticos, Sheppard não figura nos cálculos da Secretaria de Estatísticas de Trabalho (BLS). O governo contabilizou 985.230 PCA em 2012 – 44 por cento a mais do que em 2010 – mas houve mais 800 mil como Sheppard que não foram incluídos na categoria “e essa é de uma estimativa muito conservadora”, disse Abby Marquand, subdiretora do Paraprofessional Healthcare Institute, um grupo de promoção sediado em Nova York para os fornecedores de assistência direta, no qual 90 por cento são mulheres.

O salário médio por hora dos PCA acompanhados pelo governo em 2012 era US$ 10,01, conforme a BLS. Ajustado à inflação, seus salários caíram 5 por cento em uma década. Sheppard ganha a mesma taxa fixada pelo estado desde que começou em 2006, e com a inflação, seu salário real caiu 14 por cento. Neste mês, Vermont outorgará a alguns PCA um aumento para US$ 11 por hora.

Limiar da pobreza

A família de quatro pessoas de Sheppard recebe ajuda com as contas de serviços públicos e com a gasolina das agências de serviços sociais do condado de Addison, e ela é elegível para o programa de Mulheres, Adolescentes e Crianças do Departamento de Agricultura, que envia um carregamento de leite e queijo duas vezes por mês para atender a seu filho Gabriel, de quatro meses.

Ela adoraria comprar mais no Wal-Mart e nunca no banco alimentar, que é administrado por uma agência municipal chamada HOPE (Helping Overcome Poverty’s Effects, “ajudando a superar os efeitos da pobreza”). Ela vai ao local duas vezes por mês, o máximo permitido. Em uma visita recente, a recepcionista lhe deu um cupom para comprar roupa na loja de descontos da HOPE ao lado: US$ 25 por cada filho e US$ 30 para ela.

Então ela pega um tempo para ela, indo buscar calças casuais na divisão de roupa feminina, sem sucesso. “Não vou gastar tudo hoje”, disse Sheppard a respeito do cupom de US$ 80. “Nós precisamos muito”