Diretor do BC se complica ao explicar momento de retomada

Ao ser informado de que seu discurso dava a entender que a retomada não viria mais no 2º semestre, Meirelles disse que "tudo depende de uma série de elementos"

São Paulo – O diretor de Fiscalização do Banco Central (BC), Anthero Meirelles, demonstrou nesta segunda-feira, 13, dificuldade para responder ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, se a autarquia estava mudando o discurso quanto ao momento em que se dará a retomada do crescimento da economia.

Até agora, todos os diretores do BC vinham afirmando que a retomada se daria em algum momento do segundo semestre. Em evento realizado pela Associação Nacional das Instituições de Crédito (Acrefi) em São Paulo, Meirelles disse que a retomada virá em “um horizonte não muito distante”.

“Não, não mudou (o discurso). Temos que acompanhar a reação da economia. A gente não tem como prever de uma maneira precisa”, desconversou Meirelles, acrescentando que os ajustes estão na direção correta e que a recuperação virá, certamente.

Ao ser informado de que o seu discurso dava a entender que a retomada não viria mais no segundo semestre, Meirelles disse que “tudo depende de uma série de elementos, inclusive do ambiente global. Então, na verdade a gente não faz essa previsão”.

Questionado se a expressão “num horizonte não muito distante” seria a frase que o mercado passaria a ouvir de outros diretores do BC daqui em diante, o diretor de Fiscalização disse que não.

“Os ajustes já foram endereçados e agora é o tempo que a economia vai ter para poder se recuperar. Não sei quando virá, não sei quando vamos começar a observar mudanças nos indicadores, mas imagino que os ajustes vão fazer o seu trabalho na direção esperada”.

Desafios

Meirelles abriu sua palestra no evento da Acrefi chamando a atenção para os desafios que a equipe econômica tem pela frente.

De acordo com ele, o cenário é desafiador tanto do ponto de vista interno como externo e tanto do ponto de vista da política monetária como da fiscal. “De fato o cenário hoje é extremamente desafiador, tanto pelo mercado interno como pelo cenário global”, disse.

O diretor afirmou que “nosso cenário é de ajustes importantes.” Segundo ele, o ajuste está na direção correta e são necessários para a “retomada do crescimento num horizonte não muito distante”.

Ao se referir à complexidade do cenário internacional, terno usado por todos os diretores do BC, inclusive por seu presidente Alexandre Tombini, Meirelles citou comparativamente os exemplos da Grécia e da bolsa de valores da China, que estremeceram os mercados pelo mundo.

“Vimos o estresse na semana passada por conta da Grécia, que depois se tornou pequeno com a queda de 2% da Bolsa da China, que é um PIB da Grécia”, disse o diretor do BC.