Dinheiro acabou, diz Fazenda. Como vamos criar infraestrutura?

Participação privada em infraestrutura não vai resolver nosso crescimento sozinha, alerta presidente executivo da ABDIB, em evento do Infra2038

São Paulo – O Brasil precisaria investir em infraestrutura cerca de 5% do PIB por ano, dos quais 3% apenas para cobrir a depreciação do que já existe.

A taxa deve ficar em apenas 1,5% do PIB em 2017 – ou seja, estamos investindo apenas a metade do necessário para ficar no mesmo lugar, e nunca passamos de 2,4% desde o início do século.

Os números foram apresentados por Venilton Tadini, presidente executivo da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (ABDIB), em evento nesta terça-feira (05) em São Paulo.

O encontro é iniciativa do Infra2038, projeto que quer colocar o Brasil entre os 20 melhores países em infraestrutura do ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial no espaço de duas décadas.

Isso significaria subir no mínimo 52 posições, já que hoje o país está no 72º lugar. A primeira resposta, que seria aumentar o investimento público, não é uma opção factível no momento.

“O dinheiro acabou”, diz João Manoel Pinho de Mello, Secretário de Reformas Microeconômicas no Ministério da Fazenda. “Se não conseguirmos dar sustentabilidade para a trajetória fiscal, todo o resto fica comprometido, inclusive o investimento”.

Mas se “arrumar a casa é condição necessária, mas não suficiente”, como diz ele, de onde virá o dinheiro? O governo vem apostando no setor privado.

“Aprender a fazer parcerias público-privadas, só fazendo parcerias público-privadas”, diz Katerina Labrousse, Líder do National Infrastructure Acceleration do Fórum Econômico Mundial.

Ela lembra que os investidores hoje são como consumidores globais procurando pela melhor oferta – e nesse sentido o Brasil não se destaca, segundo Thomas Trebat, diretor de um centro da Universidade de Columbia no Rio de Janeiro.

“A economia não está bem, a incerteza política é muito alta e a Ásia está bombando, então é para onde os investidores estão olhando”, resume ele, notando que setores público e privado devem ser complementares e não rivais.

Venilton Tadini, presidente executivo da ABDIB, não está convencido de que só a queda da taxa de juros, que deve chegar nesta semana ao seu menor nível da história, seria suficiente para estimular o investimento.

Ele aponta para lógicas diferentes de retorno e de acumulação dependendo do setor e que simplesmente inviabilizam uma dependência do setor privado.

Em água e saneamento, 90% do investimento na América Latina é público. Em comunicações, a lógica se inverte: 93% do investimento na região é privado.

“Ajuste fiscal pelo fiscal não leva a lugar nenhum”, diz ele, alertando que “não podemos nos enganar que a participação privada em infraestrutura vai resolver nosso crescimento”.

Uma das formas de criar espaço para gastar mais na área seria flexibilizando o Orçamento. Cerca de 90% das despesas são obrigatórias por lei, então as despesas sobre as quais o governo tem controle (como o investimento) acabam sendo as primeiras vítimas de cortes em momentos de aperto.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. ViP Berbigao

    Cê tá de sacanagem?! O q todo fálido faz é renegociar com os bancos e fornecedores!!! Mas o q se faz nesse país??!! Vende-se o peixe de reformas q são uma uma pequena fração do orçamento da União. Repito todas as vzs que forem necessárias: Hoje o orçamento da União é 50% comprometido para pgto de juros da dívida pública, outros 20% são duodécimos para legislativo e judiciário e Ministério Público, outros 15% em média são dos Estados e Municípios com o FPE/FPM… então meus caros… reforma da previdência para os 15% q resta do orçamento??!! Ela não é nem o cheiro do problema que precisamos enfrentar que se chama dívida pública!!! Chamem os bancos e renegociem com seriedade expurgo do que é juros sobre juros ou então amarguem a falência completa da nação!!!

  2. Jorge Delmar Machado

    Um dos países com recorde de carga tributária não pode querer mais!!! O governo precisa resolver seus próprios problemas e ser mais eficiente!!! Reforma da previdência é uma maneira de aumentar imposto disfarçada!!!

  3. José Carlos Pons

    Quer mais dinheiro, começa cortando na carne. Corta os altos e escandalosos salários do Legislativo, e do Judiciário, corta também, e principalmente, os absurdos penduricarios pagos a elite dos servidores públicos. Ai vai começar a sobrar alguma coisa.