Desenvolve SP reduz crédito em 23% em 2015

No total, a agência ofereceu R$ 353 milhões em 2015 ante R$ 464 milhões em 2014

São Paulo – Com a piora do cenário econômico, a agência de financiamento do Governo do Estado de São Paulo, Desenvolve SP, registrou queda de 23% no valor total de financiamentos concedidos para pequenas e médias empresas, além de prefeituras, em 2015, se comparado com o ano anterior.

No total, a agência ofereceu R$ 353 milhões em 2015 ante R$ 464 milhões em 2014. A quantidade de novos contratos também caiu, passando de 320, há dois anos, para 196 em 2015.

Segundo o presidente da Desenvolve SP, Milton Luiz Santos, um dos motivos para o resultado negativo foi a queda da quantidade de solicitações de novos contratos. Os empresários estão com mais receio de tomar dinheiro emprestado para fazer novos investimentos.

A retração do PIB, a desvalorização do câmbio, o aumento da inflação e as incertezas no cenário político são algumas das causas. Além disso, a agência se tornou mais rigorosa na análise das propostas.

“Há setores que estão sofrendo mais com a crise, por isso precisamos ser mais cautelosos para não perder os recursos emprestados”, disse.

A retração de crédito para as empresas levou o setor público a receber a maior parte dos financiamentos, 37% do total.

Os recursos são empregados na melhoria da infraestrutura dos municípios paulistas, como asfaltamento de ruas, troca de iluminação pública, implantação de ciclovias e construção de distritos industriais.

O setor de serviços e indústria receberam, respectivamente, 30% e 29% do total de financiamentos.

A Desenvolve SP foi criada em 2009 com capital de R$ 1 bilhão. Desde então, a agência já concedeu financiamentos para 1,4 mil empresas e 250 municípios.

Inovação

A crise, porém, não freou os investimentos em projetos inovadores. De acordo com a Desenvolve SP, o crédito concedido para inovação passou de pouco mais de R$ 5 milhões em 2014 para R$ 23 milhões em 2015 – quase cinco vezes mais.

“Começamos a buscar empresas em setores como tecnologia da informação, biotecnologia e nanotecnologia”, diz Santos.

O apoio da agência a startups pode se dar de duas formas: via financiamento, com taxas de juros mais atrativas que as do mercado; ou pela aquisição de participação societária na empresa. A agência se torna sócia da startup com participação minoritária.

“É preciso incentivar as empresas com faturamento limitado que não têm fôlego para pagar os juros cobrados pelo mercado”, diz o presidente da Desenvolve SP.

De acordo com Santos, a agência até o momento já investiu em cerca de 35 startups e seu patrimônio em fundos de investimento chega a R$ 530 milhões.