Dados dos EUA sugerem que Fed pode reduzir estímulo em breve

Queda nas encomendas à indústria destacaram incertezas acerca do cenário econômico

Washington/Nova York – Dados sólidos de empregos e do setor de serviços dos Estados Unidos divulgados nesta quinta-feira reforçaram as visões de que o Federal Reserve, banco central do país, pode começar a desacelerar seu programa de compra de títulos já neste mês, mas a queda nas encomendas à indústria destacaram incertezas acerca do cenário econômico.

O ritmo de crescimento no setor de serviços dos Estados Unidos acelerou em agosto para o ritmo mais rápido em quase oito anos, mostrou relatório do Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês).

O ISM informou que seu índice de serviços subiu para 58,6, maior nível desde dezembro de 2005, ante 56 em julho. A leitura superou com folga as expectativas dos economistas de 55 e ficou acima das projeções mais otimistas.

“Os serviços representam aproximadamente 85 por cento da economia, então a expansão contínua do setor é crítica para a continuidade da recuperação da economia em geral”, escreveu o economista Thomas Simons, da Jefferies & Co, em nota a clientes.

Além disso, os empregadores do setor privado norte-americano abriram 176 mil vagas em agosto, e os novos pedidos de auxílio desemprego caíram na semana passada para mínima em quase cinco anos.

Os dados podem ajudar a convencer o Fed de que a maior economia do mundo está pronta para se sustentar por si só, apta a resistir à redução dos 85 bilhões de dólares por mês em compras de Treasuries e títulos hipotecários.

Entretanto, as novas encomendas de bens industriais recuaram em julho com a maior força em quatro meses, uma indicação preocupante sobre o crescimento econômico no terceiro trimestre.


O Departamento do Comércio disse que as novas encomendas de bens industriais caíram 2,4 por cento. Analistas consultados pela Reuters esperavam queda mais forte.

Embora a economia dos EUA tenha em geral ganhado ímpeto nos últimos meses, a recuperação tem sido irregular, com dados mistos ocasionalmente ofuscando o cenário para a política do Fed.

Ainda assim, dados sugerem que o mercado de trabalho –importante para as decisões do Fed –para por uma recuperação lenta mas estável.

Os 176 mil empregos privados no relatório de agosto da processadora de folhas de pagamento ADP em conjunto com a Moody’s Analytics ficaram pouco abaixo dos 180 mil postos esperados em pesquisa da Reuters, embora analistas tenham dito que o relatório foi bom o suficiente para continuar sustentando as visões de redução do estímulo pelo Fed.

“(O relatório) é suficiente para reforçar as expectativas de que o Fed vai começar a reduzir suas compras de ativos”, disse o economista Paul Ashworth, da Capital Economics.

Separadamente, o Departamento do Trabalho informou que o número de norte-americanos que solicitaram novos pedidos de auxílio desemprego caiu em 9 mil na semana passada, para 323 mil, abaixo dos 330 mil esperados em pesquisa da Reuters.

Os dados foram divulgados um dia antes do relatório do governo norte-americano de agosto sobre as vagas de trabalho fora do setor agrícola, que os investidores irão avaliar com esperanças de prever a direção futura do programa maciço de compras de título do Fed.