Cuba pede ao Brasil crédito agrícola de US$200 milhões

A ajuda brasileira terá como alvo os pequenos agricultores, que produzem quase 70 por cento dos alimentos em apenas 40 por cento de terra arável

São Paulo – Cuba pediu um crédito de 200 milhões de dólares ao Brasil para a importação de máquinas agrícolas, com as quais pretende dobrar sua produção de arroz e feijão e reduzir a dependência crônica das importações de grãos, informou nesta sexta-feira uma autoridade brasileira.

Um acordo de cooperação técnica por dois anos, que inclui um pagamento de 70 milhões de dólares para 2012, seria assinado na sexta-feira em Havana pelo ministro do Desenvolvimento Agrário do Brasil, Afonso Florence.

“Cuba está pedindo 200 milhões de dólares referentes ao quadriênio 2012-2015”, disse à Reuters o chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Francesco Pierri.

Ele afirmou que o orçamento provavelmente seria aprovado pela Câmara de Comércio Exterior do Brasil.

Cuba pretende usar o apoio do Brasil, a maior economia da América Latina, para estimular a produção de arroz, feijão, milho, soja e sorgo, e criar gado, disse Pierri em entrevista por telefone de Havana.

“Cuba estima que atualmente tem uma suficiência de 50 por cento na produção de grãos e projetos. Com este programa, quer alcançar 100 por cento. São objetivos bastante ambiciosos”, afirmou Pierri.


A ajuda brasileira terá como alvo os pequenos agricultores, que produzem quase 70 por cento dos alimentos em apenas 40 por cento de terra arável.

Cuba depende fortemente da importação de alimentos, valor que atinge entre 1,5 e 2 bilhões de dólares anualmente para sua economia frágil.

O presidente cubano, Raúl Castro, tem tomado iniciativas para reduzir a exposição de Cuba à volatilidade das matérias-primas, fornecendo 1,6 milhão de hectares de terras ociosas.

Segundo dados divulgados neste mês, a produção de arroz e feijão, produtos básicos da dieta cubana, aumentou nos primeiros nove meses de 2011, aparentemente revertendo um declínio de 2,5 por cento em 2010. Mas o plano de Raúl Castro entrou em choque com a falta de recursos e equipamentos.

“Cuba tem uma grande capacidade técnica. O que faltam são máquinas e é exatamente nisso que o Brasil vai ajudar para alcançar as metas de produção”, disse Pierri.

A lista de equipamentos que o Brasil exportará para Cuba inclui tratores, colheitadeiras, cultivadores e sistemas de irrigação, entre outros.

O crédito agrícola aprofunda a aliança de Brasil e Cuba.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estendeu a mão ao governo comunista de Cuba ao oferecer financiamento para modernizar o porto de Mariel e outros projetos de infraestrutura. Também assinou empréstimos comerciais que levaram às lojas de Cuba alimentos e bens de consumo brasileiros.

O programa brasileiro de assistência técnica “Mais Alimentos” foi originalmente projetado para ajudar os países africanos, como Gana e Zimbábue. Sua aplicação em Cuba foi repetidamente solicitada pelo governo da ilha.