Crescimento empresarial da zona do euro permanece fraco em maio

PMI Composto, índice que mostra atividade empresarial, para a zona do euro subiu a 51,8 em maio de 51,5 em abril

Londres — A atividade empresarial da zona do euro acelerou no mês passado mas permaneceu fraca, e indicadores antecedentes sugerem que o crescimento econômico do bloco não vai ganhar força em breve, mostrou nesta quarta-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

O PMI Composto final do IHS Markit para a zona do euro subiu para 51,8 em maio, ante 51,5 em abril. Embora o resultado tenha ficado acima da preliminar de 51,6, ainda permanece perto da marca de 50 que separa crescimento de contração.

O IHS Markit afirmou que o PMI indica crescimento no segundo trimestre de 0,2%, contra 0,3% esperado em pesquisa da Reuters e 0,4% no primeiro trimestre.

“O cenário geral continua sendo de crescimento fraco e perspectivas ruins para o ano à frente”, disse Chris Williamson, economista-chefe do IHS Markit.

O subíndice de novos negócios caiu a 50,4 de 51,0, uma das leituras mais baixas em seis anos.

O PMI do setor de serviços da zona do euro subiu para 52,9, antes 52,8 em abril, ajudando a compensar o quarto mês de contração na indústria.

Vendas do varejo

As vendas no varejo da zona do euro caíram 0,4% em abril ante março, segundo dados publicados hoje pela agência oficial de estatísticas da União Europeia, a Eurostat. Analistas consultados pelo The Wall Street Journal previam queda menor nas vendas, de 0,2%.

Na comparação anual, o setor varejista da região ampliou as vendas em 1,5% em abril.

O dado anual de março foi revisado para cima, de ganho de 1,9% para avanço de 2%.