Crédito imobiliário cresce 37% de janeiro a julho

Número de unidades financiadas de janeiro a julho soma quase 300 mil

São Paulo – Os financiamentos para imóveis no Brasil cresceram 37 por cento nos primeiros sete meses do ano ante o mesmo período de 2012, afirmou nesta quinta-feira, o presidente da associação que representa as entidades de crédito imobiliário e poupança, Abecip.

Segundo Octavio de Lazari Junior, que participa de evento do da entidade em São Paulo, o número de unidades financiadas de janeiro a julho soma quase 300 mil. Até junho, segundo divulgação anterior da entidade, o total financiado era de 244,7 mil imóveis.

“O setor volta a crescer e há amplo espaço para o desenvolvimento do crédito habitacional”, afirmou no evento. Segundo Lazari Junior, o país tem potencial para elevar a representatividade do crédito imobiliário em relação ao PIB, atualmente em 7,5 por cento.

Apesar da elevação dos juros básicos anunciada na véspera pelo Banco Central, com o ajuste da Selic de 8,5 para 9 por cento ao ano, o impacto sobre os juros do crédito imobiliário deverá ser “marginal”.

O aperto monetário acionou o gatilho da remuneração da poupança, que, por regra, passa a pagar uma taxa de 6 por cento ao ano acrescida da variação da TR com a Selic acima de 8,5 por cento.

Como a poupança é a principal financiadora do crédito imobiliário no país, a mudança “poderia aumentar (os juros do) crédito imobiliário, olhando para a situação de maneira muito simplista”, disse Lazari Junior.

O presidente da Abecip afirmou que o acréscimo deve chegar a no máximo 0,5 por cento na taxa ofertada pelos bancos no ano –mesmo número divulgado pela entidade em julho, antes da última elevação da Selic–, embora acredite que muitas instituições não devem mudar as condições em função do ambiente de competitividade no mercado.