Copom mantém Selic em 6,5% pela quarta vez seguida

Na última reunião antes das eleições presidenciais, Banco Central decide manter Selic inalterada no mais baixo patamar da história

São Paulo – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou nesta quarta-feira (19) a manutenção da taxa de juros em 6,5%.

Foi a quarta vez seguida que a Selic foi mantida no mesmo nível, o mais baixo desde que ela passou a ser usada como referência em 1996.

O comunicado aponta que se elevaram os riscos tanto de frustração do processo de reformas e ajustes da economia quanto de uma piora do cenário externo para os emergentes.

A decisão já era esperada pelo mercado financeiro; de 69 instituições e economistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, todos previam estabilidade.

A razão é que apesar das turbulências no mercado financeiro e da desvalorização do Real, as projeções de inflação seguem em trajetória relativamente tranquila.

O Boletim Focus da última segunda-feira (17) elevou a estimativa do IPCA para 2018 em 0,04 ponto percentual, chegando a 4,09%, com leve aceleração para 4,11% em 2019.

Ambas as projeções seguem abaixo do centro da meta, que é de 4,5% com tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

Essa foi a última reunião do Copom antes das eleições presidenciais; a próxima está marcado para os dias 30 e 31 de outubro, terça-feira e quarta-feira após o domingo do segundo turno (28).

Veja o comunicado completo:

“​O Copom decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic em 6,50% a.a.

A atualização do cenário básico do Copom pode ser descrita com as seguintes observações:

Indicadores recentes da atividade econômica evidenciam recuperação da economia brasileira, em ritmo mais gradual que o vislumbrado no início do ano;

O cenário externo permanece desafiador, com redução do apetite ao risco em relação a economias emergentes. Os principais riscos seguem associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas e a incertezas referentes ao comércio global;

O Comitê avalia que diversas medidas de inflação subjacente se encontram em níveis apropriados, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária;

As expectativas de inflação para 2018 e 2019 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 4,1%. As expectativas para 2020 permaneceram em torno de 4,0% e as expectativas para 2021 recuaram para em torno de 3,9%; e

No cenário com trajetórias para as taxas de juros e câmbio extraídas da pesquisa Focus, as projeções do Copom situam-se em torno de 4,1% para 2018 e de 4,0% para 2019. Esse cenário supõe trajetória de juros que encerra 2018 em 6,50% a.a. e 2019 em 8,0% a.a. e de taxa de câmbio que termina 2018 em R$/US$ 3,83 e 2019 em R$/US$ 3,75.

No cenário com juros constantes a 6,50% a.a. e taxa de câmbio constante a R$/US$ 4,15*, as projeções situam-se em torno de 4,4% para 2018 e 4,5% para 2019.

O Comitê ressalta que, em seu cenário básico para a inflação, permanecem fatores de risco em ambas as direções.

Por um lado, (i) o nível de ociosidade elevado pode produzir trajetória prospectiva abaixo do esperado. Por outro lado, (ii) uma frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira pode afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação no horizonte relevante para a política monetária.

Esse risco se intensifica no caso de (iii) deterioração do cenário externo para economias emergentes. O Comitê julga que esses últimos riscos se elevaram.

Considerando o cenário básico, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu, por unanimidade, pela manutenção da taxa básica de juros em 6,50% a.a. O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e balanço de riscos para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante para a condução da política monetária, que inclui o ano-calendário de 2019.

O Comitê enfatiza que a continuidade do processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para a manutenção da inflação baixa no médio e longo prazos, para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia.  O Comitê ressalta ainda que a percepção de continuidade da agenda de reformas afeta as expectativas e projeções macroeconômicas correntes.

O Copom entende que deve pautar sua atuação com foco na evolução das projeções e expectativas de inflação, do seu balanço de riscos e da atividade econômica. Choques que produzam ajustes de preços relativos devem ser combatidos apenas no impacto secundário que poderão ter na inflação prospectiva (i.e., na propagação a preços da economia não diretamente afetados pelo choque).

É por meio desses efeitos secundários que esses choques podem afetar as projeções e expectativas de inflação e alterar o balanço de riscos. Esses efeitos podem ser mitigados pelo grau de ociosidade na economia e pelas expectativas de inflação ancoradas nas metas. Portanto, não há relação mecânica entre choques recentes e a política monetária.

O Copom reitera que a conjuntura econômica ainda prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. Esse estímulo começará a ser removido gradualmente caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e/ou seu balanço de riscos apresentem piora.

Na avaliação do Copom, a evolução do cenário básico e do balanço de riscos prescreve manutenção da taxa Selic no nível vigente. O Copom ressalta que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Ilan Goldfajn (Presidente), Carlos Viana de Carvalho, Carolina de Assis Barros, Maurício Costa de Moura, Otávio Ribeiro Damaso, Paulo Sérgio Neves de Souza, Reinaldo Le Grazie, Sidnei Corrêa Marques e Tiago Couto Berriel.

*Valor obtido pelo procedimento usual de arredondar a cotação média da taxa de câmbio R$/US$ observada nos cinco dias úteis encerrados na sexta-feira anterior à reunião do Copom.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Serginho Maquine

    isso e uma fraude financeiramente falando a taxa selic e maquiada como eles estao fazendo pra 4 anos ..!!! se juros e uma coisa matematica naum se pode fazer projeçao se o mercado de juros ocila de acordo com curva da inflacao i com mercado financeiro foi pra isso que foi criado se nao estao nem fazendo o dever de controlar as contas publicas e uma desoordem na economia como um todo e mercado global pressionando os juros e como eles controlam se nao faz nem investimento no curto prazo medio e longo prazo pra que economia cresça com intabilidade e sem deficit nas contas publicas