Copom mantém juros inalterados em 6,5% pela oitava vez seguida

Reunião, que começou ontem em Brasília, foi a primeira sob a liderança de Roberto Campos Neto, que assumiu a presidência do BC no lugar de Ilan Goldfajn

São Paulo – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou nesta quarta-feira (20) a manutenção da taxa Selic em 6,5%. É a oitava vez seguida que os juros ficam inalterados nesta patamar, o mais baixo desde que a Selic passou a ser usada como referência em 1996.

A reunião, que começou ontem em Brasília, foi a primeira sob a liderança do economista Roberto Campos Neto, que assumiu a presidência do BC no lugar de Ilan Goldfajn. no cargo desde junho de 2016. Além Campos Neto, também estrearam no colegiado o diretor de Política Monetária, Bruno Serra, e o diretor de Organização do Sistema Financeiro, João Manoel Pinho de Mello.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em fevereiro, o indicador fechou em 3,89% no acumulado de 12 meses. O índice subiu em relação a janeiro, pressionado por alimentos e educação. A IPCA de março só será divulgado em 10 de abril.

Para 2019, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabeleceu meta de inflação de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não poderá superar 5,75% neste ano nem ficar abaixo de 2,75%. A meta para 2020 foi fixada em 4%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Inflação

No Relatório de Inflação divulgado no fim de dezembro pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerrará 2019 em 4% e continuará baixo até 2021. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 3,89%.

Depois de fechar abaixo do piso da meta em 2017, a inflação subiu no ano passado afetada pela greve dos caminhoneiros, que durou 11 dias e provocou desabastecimento de alguns produtos no mercado, e por causa da alta do dólar no período. Mesmo assim, o IPCA voltou a registrar níveis baixos nos últimos meses de 2018, tendo encerrado o ano em 3,75%.

Crédito mais barato

A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores barateiam o crédito e incentivam a produção e o consumo em um cenário de baixa atividade econômica. No último Relatório de Inflação, o BC projetava expansão da economia de 2,4% para este ano. Segundo o boletim Focus, os analistas econômicos preveem crescimento de 2,28% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2019.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

Ranking de juros reais

Frequentemente citado como o país com os maiores juros do planeta, o Brasil segue na sétima posição no ranking de juros reais (juros nominais menos a inflação projetada para os próximos 12 meses). No meio de dezembro, o país ocupava a sexta posição

O levantamento é feito e publicado pelo site MoneYou em parceria com a Infinity Asset Management e considera as 40 principais economias do mundo.

Veja a taxa de juros reais de 20 economias analisadas:

 

Posição País Juro real
1 Argentina 10,19%
2 Turquia 6,91%
3 México 4,18%
4 Indonésia 3,84%
5 Rússia 3,30%
6 Índia 2,48%
7 Brasil 2,31%
8 Malásia 1,94%
9 África do Sul 1,62%
10 Filipinas 1,47%
11 Colômbia 1,15%
12 Cingapura 0,94%
13 Tailândia 0,71%
14 China 0,51%
15 Chile 0,51%
16 Canadá 0,29%
17 Nova Zelândia 0,03%
18 Polônia -0,07%
19 Coreia do Sul -0,19%
20 Repúbçica Checa -0,22%