Copa do Mundo substitui alimentos como vilã da inflação

Passagens e diárias de hotéis tiveram fortes altas justamente quando inflação dos alimentos começou finalmente a ceder - e a taxa bateu o teto da meta

São Paulo – A divulgação da taxa de inflação de junho pelo IBGE nesta manhã trouxe uma boa e uma má notícia.

A boa: a inflação continua desacelerando. Os 0,40% de junho vieram bem na linha do que o mercado esperava e são menos do que os 0,46% de maio. A taxa mensal não era tão baixa desde setembro do ano passado (0,35%). 

A má: o IPCA já bateu o teto da meta no acumulado dos últimos 12 meses.

A regra é que a inflação deve perseguir um índice anual de 4,5% com tolerância de dois pontos percentuais para baixo (2,5%) ou para cima (6,5%).

Recentemente, o acumulado anual da inflação tem ficado constantemente perto desse teto, que foi estourado hoje, como já havia acontecido em março do ano passado. 

A previsão dos economistas é que isso poderia acontecer por alguns meses – e vai acontecer de novo – mas que o ano ainda deve fechar abaixo do teto. O último boletim Focus prevê inflação de 6,46% no final de 2014.

“Se julho vier em 0,20%, o acumulado vai para 6,7%. A expectativa é que o acumulado volte para o teto da meta só em outubro ou novembro”, prevê André Braz, do IBRE/FGV.

Não que a situação seja confortável: longe disso. A inflação persiste mesmo em um cenário de desaceleração da atividade e aumento de juros – que foram de 7,25% para 11% desde abril de 2013, em um ciclo de nove altas seguidas.

Além disso, o governo está reprimindo as tarifas de energia elétrica e impedindo o aumento de combustíveis da Petrobras, que está desalinhada com os preços internacionais (e sofrendo as consequências disso).

Se os reajustes tivessem sido permitidos, a inflação já teria estourado o teto faz tempo – e por isso, a previsão é que 2015 será um ano de forte ajuste, não importa qual seja o governo.

“Nossa previsão é que no ano que vem, a energia vai subir 17% – para compensar os custos acumulados com as térmicas e as distribuidoras – e o combustível, 10% – o suficiente para recuperar a defasagem”, diz Adriana Molinari, economista da consultoria Tendências.

Copa do Mundo

Assim como as manifestações seguraram a inflação em junho do ano passado, um fator novo entrou para a análise neste mês, só que com efeito contrário: a Copa do Mundo, que começou no dia 12.

Passagens aéreas subiram 21,95% e diárias de hotéis subiram 25,33% no mês. Juntos, os dois itens puxaram para cima os grupos de “Transportes” e “Despesas Pessoais” e foram responsáveis por metade do IPCA final.

Das 13 cidades pesquisadas pelo IBGE, 9 são sedes da Copa, incluindo as 5 com maior inflação: Recife, Salvador, Brasília, Campo Grande e Belo Horizonte. 

O movimento não é surpreendente e já havia sido antecipado por economistas, ainda que eles discordem sobre o tamanho do impacto.

Alguns acreditam que ele é pequeno e localizado; na visão do Banco Central, Copa e Olimpíadas colocam dois pontos inteiros na inflação por um longo período. 

Para André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos, “o aumento da Copa segue em julho, mas tende a ser uma coisa de uma vez só. A boa notícia é que o grupo alimentação finalmente começou a deflacionar, o que dá espaço para imaginar que a inflação vai ficar mais benigna no longo prazo.” 

O grupo Alimentação e Bebidas é o de mais peso no IPCA (mais de 20%) e sofreu os efeitos da seca do início de ano. Agora, os índices de preço do produtor e do atacado estão em forte deflação, o que deve se refletir eventualmente nos preços do varejo.

“O trigo, por exemplo, está com uma previsão de safra ótima e tem impacto sobre uma grande família de derivados – pão francês, macarrão, biscoito, etc. Devemos ver o impacto disso em 2 ou 3 meses”, completa Braz.