Compras com cartões de crédito caem pela metade, diz Elo

Segundo levantamento feito pela empresa de pagamentos, vestuário, estacionamentos, turismo e bares e restaurantes são os setores mais afetados

As compras com cartões de crédito Elo tiveram uma queda de 50%, no dia 25 de março, em comparação com a média do mesmo dia da semana no período entre 5 de janeiro e 22 de fevereiro. No débito, a queda foi um pouco menor, de 45%. Atualmente, a carteira da Elo possui uma base de 132 milhões de cartões, das duas modalidades.

Os setores de vestuário e estacionamento são os que mais sofrem na crise, com quedas superiores a 90% no faturamento. Turismo (-83%), bares e restaurantes (-71%), lojas de departamento (-71%) e materiais de construção (-56%) também apresentam fortes reduções. Já as farmácias, com perda de 10%, e os supermercados, com queda de 1%, são os que menos sofrem.

Apesar da expectativa de um aumento no faturamento do comércio eletrônico, o levantamento mostra que também houve queda nessa modalidade, de 35%. O setor de bares e restaurantes, no entanto, foi beneficiado, com um aumento de 85% no faturamento. Os supermercados tiveram um crescimento de 17% nas compras online.

As compras com os cartões da bandeira apresentaram quedas constantes desde o dia 13 de março, quando se intensificaram os esforços de isolamento para conter a epidemia do novo coronavírus. No dia 19, as transações já apresentavam queda de quase 20% no crédito e de 10% no débito.

O setor de supermercados, por sua vez, foi na direção contrária. No dia 19, as compras nesses estabelecimentos cresceram 83% no crédito e 50% no débito. A partir dessa data, passaram a cair, chegando ao dia 25 com leve queda, considerando as duas modalidades. As farmácias experimentaram o mesmo efeito, com uma alta de 70% no crédito e 31% no débito, no dia 19, culminando com uma queda combinada de 10%, no dia 25.

O comportamento dos consumidores

A variação de faturamento diária, no crédito e no débito

Quadro Elo

 (Elo Performance e Insights/Divulgação)