Como o gim virou a nova estrela do mercado de bebidas brasileiro

Enquanto o mercado de destilados ficou estacionado em 2017, o volume do gim subiu 66% e bebida caminha para ter parcela do mercado equivalente a do uísque

São Paulo – O gim se tornou o novo queridinho do brasileiro.

Enquanto o mercado de destilados ficou estacionado em 2017, o volume de vendas de gim subiu 66% e atingiu 1,8 milhão de litros, segundo dados da Euromonitor International.

“Há alguns anos já se fala nessa tendência, mas antes ela estava focada nos grandes centros e no eixo Rio-São Paulo, que é mais internacionalizado, e foi só em 2017 que ela atingiu um patamar nacional”, diz Angélica Salado, analista de bebidas da consultoria, para EXAME.

Segundo ela, uma das razões para o boom do gim no Brasil foi a entrada de novas marcas no mercado, tanto nacionais quanto internacionais.

Outra vantagem é que bebida se concentra em faixas de preço intermediárias e o brasileiro, para economizar em meio à crise econômica, tem preferido beber dentro de casa ao invés de em bares e restaurantes.

As marcas de gim mais consumidas no Brasil são, na ordem, Seagers, Tanqueray, Gordon’s e Beefeater.

“Não há uma marca muito acessível, como acontece com a vodca ou a cachaça, mas também não há opções extremas como o uísque, com garrafas a mais de mil reais”, diz Angelica.

Apesar da alta, a participação do gim ainda é de apenas 1% do mercado de destilados, contra 70% da líder absoluta, a cachaça.

Mas o aumento de vendas já foi suficiente para alçar o país da 27ª para a 22ª posição entre os maiores mercados globais da bebida em 2017.

A previsão da consultoria é que o volume vendido no Brasil siga crescendo, mas menos: um ritmo de 17% por ano até 2022, suficiente para alçar o Brasil para a 17ª posição global.

Internamente, isso tornaria o gim tão importante quanto o uísque, com 5% do mercado de destilados cada, também até 2022. Quem perde espaço neste cenário é a vodca.

Para as marcas, a receita para manter o sucesso é mostrar para os consumidores que há muitas outras formas de tomar gim além do gim tônica.

“Falta ao brasileiro o conhecimento de como inovar e preparar receitas diferentes. O grande desafio é diversificar as opções de drinques para que o gim não caia na mesma armadilha da cachaça, muito atrelada à caipirinha”, diz Angelica.

Ela também cita o exemplo do Aperol, sempre associado ao drinque Aperol Spritz, que viveu entre 2012 e 2014 um pico também muito ligado ao marketing e que depois começou a cair.

Veja quais são os 10 países que mais consomem gim no mundo:

  1. Filipinas
  2. Estados Unidos
  3. Nigéria
  4. Espanha
  5. Reino Unido
  6. Índia
  7. Holanda
  8. África do Sul
  9. Alemanha
  10. Canadá